Clique e assine com até 92% de desconto

Vacina chinesa será valiosa para população do Brasil, diz Embaixada

Presidente Jair Bolsonaro disse que não comprará vacina chinesa, um dia depois do Ministério da Saúde anunciar intenção de adquirir 46 milhões de doses

Por Julia Braun Atualizado em 21 out 2020, 18h27 - Publicado em 21 out 2020, 18h20

A Embaixada do Brasil na China afirmou em nota nesta quarta-feira, 21, que os ensaios clínicos da vacina CoronaVac contra o coronavírus continuam avançando no país e que espera que “a cooperação alcance resultados positivos”. A representação diplomática disse ainda que o imunizante será valioso para proteger a população de todo o mundo, inclusive do Brasil.

“Qualquer vacina, quando tiver sua segurança e eficácia comprovada, será valiosa para proteger as populações do mundo, incluindo a do Brasil”, diz o comunicado. A declaração vem no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro negou a intenção do Brasil de comprar 46 milhões de doses do imunizante.

A CoronaVac é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. Na terça-feira 20, o Ministério da Saúde havia anunciado sua intenção de comprar as doses em uma reunião com governadores, mas Bolsonaro afirmou nesta quarta que a transação não será realizada pelo governo federal.

“Já mandei cancelar. O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade. Até porque estaria comprando uma vacina que ninguém está interessado por ela, a não ser nós”, afirmou Bolsonaro, após escrever nas redes sociais

Depois dessa declaração, o Ministério da Saúde fez um novo anúncio, por meio do qual o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, disse que o protocolo de intenções firmado com o Instituto Butantan não tem caráter vinculante.

  • Em nota, a Embaixada chinesa em Brasília afirmou ainda que seu governo trabalha para garantir a acessibilidade e disponibilidade de vacinas contra o novo coronavírus aos países em desenvolvimento e que “o desenvolvimento e pesquisa das vacinas chinesas contra a Covid-19 estão entre as mais avançadas do mundo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade