Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quase 2.400 crianças morreram no Iêmen em três anos, diz Unicef

Ao menos 29 menores de idade foram mortos em um bombardeio que atingiu seu ônibus escolar na quinta-feira; ataque foi represália pela morte de um saudita

Quase 2.400 crianças morreram no Iêmen vítimas da guerra no país nos últimos três anos, informou nesta sexta-feira 10 o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), que pediu às partes do conflito que respeitem a população civil.

O pedido veio após a morte de mais de cinquenta pessoas, 29 delas menores de idade, em um bombardeio ontem da coalização liderada pela Arábia Saudita na cidade de Dahyan.

“Quase 2.400 crianças perderam a vida desde março de 2015, e 3.600 foram feridas gravemente ou mutiladas nesta guerra”, disse em mensagem no Twitter a representante do Unicef no Iêmen, Meritxell Relano.

Meritxell expressou sua preocupação com a situação na província de Saada, no norte do país, onde fica Dahyan.

“Pedimos a todas as partes em conflito que, por favor, respeitem as leis humanitárias, as leis da guerra e que não se produzam mais ataques contra civis, infraestruturas civis, como hospitais, escolas e pontos de saneamento, mas especialmente as crianças, que são as mais vulneráveis”, acrescentou a representante do Unicef.

A coalizão árabe assumiu a responsabilidade pelo bombardeio de quinta-feira. O ataque foi uma resposta à morte de um civil saudita no dia anterior, após lançamento de um míssil pelos rebeldes houthis contra Yazan, no sudoeste da Arábia Saudita.

O porta-voz da coalizão, Turki al Maliki, qualificou o bombardeio como “uma ação militar legítima contra os elementos que planejaram e perpetraram o ataque contra civis na noite de ontem na cidade de Yazan”.

Este não é o primeiro ataque que deixa muitas vítimas civis no Iêmen. No último dia 2, o bombardeio a um mercado e a um hospital em Al Hudaydah deixou mais de cinquenta mortos, segundo fontes dos rebeldes houthis.

O conflito armado no Iêmen começou em 2014, quando os rebeldes houthis ocuparam Sanaa e outras províncias. Agravou-se em 2015 com a intervenção da coalizão militar integrada por países sunitas e liderados pela Arábia Saudita a favor das forças leais ao presidente iemenita reconhecido internacionalmente, Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi.

(Com EFE)