Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Unicef: desastres climáticos deslocaram 43,1 milhões de crianças em 6 anos

Relatório do fundo da ONU aponta que cerca de 20 mil crianças são obrigadas a migrar diariamente por conta de inundações, tempestades e incêndios

Por Da Redação
Atualizado em 6 out 2023, 17h49 - Publicado em 6 out 2023, 17h43

Um levantamento publicado pela Unicef nesta sexta-feira, 6, revelou que mais de 43 milhões de crianças de 44 países tiveram que abandonar suas casas para fugir de inundações, tempestades, secas e incêndios florestais, no período entre 2016 e 2021. Segundo os dados inéditos, isso é o equivalente a 20 mil deslocamentos por dia.

A pesquisa mostra que as inundações e as tempestades foram as maiores vilãs da migração entre os pequenos, com ou 95% do total de casos, sendo os 5% restantes por conta das outras alterações climáticas.

“É assustador para qualquer criança quando um violento incêndio, tempestade ou inundação atinge a sua comunidade”, disse a diretora executiva da Unicef, Catherine Russell, em comunicado à imprensa.

+ ONU: 333 milhões de crianças vivem em situação de pobreza extrema

Os países mais afetados em números absolutos foram as Filipinas, a Índia e a China, onde 23 milhões de crianças abandonaram à força seus lares e escolas durante o período pesquisado.

Continua após a publicidade

O fator geográfico é preponderante, e as mudanças climáticas devem agravar a situação. Mas os índices elevados podem  estar ligados ao fato de que os três países possuem medidas preventivas para a retirada de habitantes de áreas afetadas por desastres, o que pode justificar os dados elevados.

Estima-se, ainda, que inundações dos rios sozinhas sejam responsáveis pelo deslocamento de aproximadamente 96 milhões de crianças nos próximos 30 anos. No Brasil, por exemplo, inundações, tempestades e outros fenômenos podem fazer com que 1,5 milhões jovens sejam obrigados a deixar seus lares.

+ Depois de enchentes, tornados devastam duas cidades no leste da China

“Para aqueles que são forçados a fugir, o medo e o impacto podem ser especialmente devastadores. Há preocupação de voltarem para casa, retomarem a escola ou serem forçados a mudar-se novamente. A mudança [de casa] pode ter salvado as suas vidas, mas também é muito perturbadora”, acrescentou Russell.

Continua após a publicidade

De acordo com o fundo das Nações Unidas voltado para as crianças, não existem precedentes históricos de análises do tipo.

+ Lago transborda e causa ‘tsunami’ na Índia, deixando 14 mortos

Até agora, as crianças deslocadas por eventos relacionados com o clima têm sido estatisticamente invisíveis”, diz o texto.

O trecho final da nota divulgada pela Unicef soa como um alerta e um pedido aos governos, no mês que antecede a cúpula sobre clima das Nações Unidas, a COP28, em Dubai.

Continua após a publicidade

“A Unicef pede a governos, doadores, parceiros de desenvolvimento e o setor privado para proteger as crianças e os jovens dos impactos [das mudanças climáticas], prepará-los para viverem num mundo alterado pelo clima e priorizá-los”, conclui o documento.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.