Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trump e Nikki Haley travam disputa decisiva nas prévias de New Hampshire

Pleito para definir candidato republicano da corrida à Casa Branca pode confirmar favoritismo do ex-presidente, com 19 pontos de vantagem nas pesquisas

Por Da Redação
23 jan 2024, 14h11

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, se enfrentarão nas eleições primárias de New Hampshire nesta terça-feira, 23. A ida às urnas será decisiva para a corrida republicana, que segue com apenas dois candidatos na disputa, depois que o governador da Flórida, Ron DeSantis, desistiu da candidatura no domingo.

Após ocupar segundo lugar nas prévias de Iowa, DeSantis estendeu apoio ao ex-presidente, embora o tenha criticado durante a campanha. Por lá, Trump conquistou 51% dos votos; DeSantis, 21,2%; e Haley, 19,1%. O eventual candidato republicano enfrentará um democrata – provavelmente, o presidente Joe Biden, de 81 anos – nas eleições gerais de novembro.

As pesquisas de intenção de voto, no entanto, tendem a ser frustrantes para quem quer fugir de um repeteco das eleições americanas de 2020. Um levantamento divulgado pela Universidade de Suffolk e Boston Globe nesta terça-feira consolidou o favoritismo trumpista: o ex-presidente está 19 pontos na dianteira, com 57% dos votos, contra 38% de Haley. Na pesquisa da Universidade de Monmouth e do jornal The Washington Post, ele está à frente com 18 pontos de margem (52% a 34%).

+ DeSantis desiste de disputar presidência dos EUA e anuncia apoio a Trump

Troca de farpas

Na cidade de Laconia, Trump discursou em um evento de campanha na segunda-feira 22 “que vencer por grandes margens” seria o caminho para “enviar um sinal” de que não seus eleitores estão falando sério. Ele acrescentou que os Estados Unidos foram “para o inferno” e que “globalistas e comunistas radicais de esquerda” estão convencendo republicanos a votar em Haley “porque ela é muito fácil de vencer” por quem quer que seja seu rival democrata. 

Continua após a publicidade

“Se você quer um candidato perdedor que coloque a América em último lugar, vote em Nikki Haley”, bradou.

Em comício, a ex-governadora, que também foi embaixadora nas Nações Unidas durante o governo Trump, argumentou que o seu rival estava mais preocupado com as acusações criminais que tem enfrentado – duas na esfera civil, duas na federal e uma no estado da Georgia. Ele, por sua vez, nega as acusações e diz ser vítima de perseguição política.

“Quando você ouve Trump falar, do que ele está falando?”, provocou.  “Quando você sair [para votar] na terça-feira, você decidirá: quer mais do mesmo ou quer algo novo?”

Ainda na segunda-feira, Haley participou de outro comício na cidade de Salem, no qual pediu apoio dos eleitores e afirmou que teria mais chances de derrotar Biden do que Trump.

Continua após a publicidade

“Temos um país para salvar e temos a oportunidade de salvá-lo”, argumentou.

+ Quem é Nikki Haley, única rival de Trump nas primárias republicanas

Tensão em New Hampshire

New Hampshire é um estado mais moderado do que Iowa, por isso, a equipe de Haley mantém as esperanças na vitória. Além disso, 40% dos eleitores locais estão registados como independentes, ou seja, não são afiliados nem ao Partido Democrata nem ao Partido Republicano. 

As primárias democratas em New Hampshire também ocorrem nesta terça-feira, em meio a uma polêmica disputa entre autoridades do partido no estado e o Comitê Democrata Nacional (DNC). As autoridades nacionais do partido tentaram mudar a ordem do calendário eleitoral americano, trocando New Hampshire pela Carolina do Sul como o primeiro estado da disputa interna, sob o pretexto de incrementar a diversidade do processo. Indignados, representantes locais mantiveram o pleito mesmo assim – uma afronta mal recebida pelo DNC, que disse que não reconheceria os resultados das prévias e, por isso, o nome de Biden não estaria nas cédulas.

Continua após a publicidade

Como consequência, aliados de Biden no estado estão instando os eleitores a escreverem seu nome nas cédulas mesmo assim, de forma a contrariar abertamente o DNC. Os centros de votação começarão a fechar as portas às 19h (21h em Brasília). A contagem pode levar algumas horas, sem previsão definida.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.