Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Tribunal da Venezuela condena 17 pessoas por ataque contra Maduro em 2018

Entre os condenados está o ex-deputado e líder da oposição, Juan Requesens, que recebeu pena de oito anos de prisão

Por Matheus Deccache 4 ago 2022, 17h21

Um tribunal da Venezuela condenou nesta quinta-feira, 4, o ex-deputado da oposição, Juan Requesens, e outras 16 pessoas a penas que vão de cinco a 30 anos de prisão pela participação em um suposto envolvimento na explosão de dois drones em um evento que contava com a presença do presidente venezuelano, Nicolás Maduro

Requesens, que ficou detido por cerca de dois anos entre 2018 e 2020, foi condenado a oito anos de prisão “pelo crime de conspiração”, de acordo com publicação de seu advogado no Twitter. A família do ex-deputado e o líder da oposição, Juan Guaidó, o consideram um preso político. 

+ As reservas de ouro de US$ 1 bi da Venezuela – que Maduro não terá acesso

De acordo com o governo, o incidente foi uma tentativa fracassada de assassinato planejada pela Colômbia, Estados Unidos e a oposição venezuelana envolvendo drones com carregamentos explosivos. Os três acusados negam qualquer envolvimento neste e em qualquer outro complô. 

Além de Requesens, outras 16 pessoas foram acusadas e 12 receberam a pena máxima de 30 anos por crimes como assassinato e traição. Os outros cincos foram condenados a 24, 20, 16, oito e cinco anos sob acusação de terrorismo e conspiração. 

Continua após a publicidade

“A ditadura o sequestrou e o mantém privado de sua liberdade como mecanismo de perseguição contra toda uma sociedade”, disse Guaidó por meio do Twitter. 

A sentença ocorre exatamente quatro anos após a explosão de dois drones nas proximidades do palco onde discursava o presidente, Nicolás Maduro, durante um ato militar em 2018. 

+ Os sinais de reaproximação entre o Brasil e a Venezuela

Requesens foi preso três dias após o incidente e, pouco tempo depois, o governo mostrou um vídeo no qual ele confessava ter tido contato com um dos supostos envolvidos. No entanto, seu partido denunciou que o legislador foi drogado e forçado a se declarar culpado. 

“O Ministério Público não conseguiu provar sua responsabilidade em nenhum dos sete crimes pelos quais foi acusado. A juíza não tem como condená-lo e deve ser absolvido, mas nossa justiça está sequestrada”, escreveu o advogado do ex-deputado antes da sentença. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)