Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Termômetros devem marcar até 50ºC na Argentina, Uruguai e Sul do Brasil

Classificado como 'histórico', fenômeno deve provocar temperaturas extremas na região central da América do Sul

Por Ernesto Neves Atualizado em 10 jan 2022, 16h46 - Publicado em 10 jan 2022, 14h13

Argentina, Uruguai, Paraguai e o Rio Grande do Sul devem ser atingidos ainda nesta semana por uma onda de calor considerada “histórica”, elevando as temperaturas na região para até 50º C.

O calorão deve ganhar força a partir do final desta semana, fazendo com que as máximas fiquem entre 10ºC e 15ºC acima do normal.

Segundo informações do site MetSul Meteorologia, o fenômeno será o pior em décadas e vai se estender por período prolongado.

A informação foi confirmada pela Agência para Assuntos sobre Meteorologia, Oceanos, Atmosfera e Clima (NOAA), dos Estados Unidos, que prevê sensação térmica entre 45ºC e 50ºC.

“No pior cenário, o evento de calor teria magnitude sem precedentes na história recente em várias localidades com temperatura jamais vista em décadas com quebra de vários recordes de temperatura máxima na região a partir de marcas próximas ou acima de 40ºC de forma generalizada e acima de 45ºC em alguns pontos”, afirma o MetSul. 

No Brasil, as cidades localizadas no oeste do Rio Grande do Sul devem ser as mais atingidas.

Na região de Uruguaiana e Quaraí, as temperaturas máximas devem atingir 37ºC nesta segunda-feira (10), 39ºC na terça (11), 41ºC a 42ºC na quarta (12), 42ºC a 43ºC na quinta (13), e 43ºC na sexta (14). 

Continua após a publicidade

Já na região brasileira próxima à fronteira com o Uruguai, as cidades de Bagé, Jaguarão, Dom Pedrito deverão ter máximas entre 40ºC a 42ºC até o final da semana. E em Pelotas, a previsão do MetSul é que os termômetros cravem até 42ºC no sábado (15).

“Todos os modelos numéricos de previsão do tempo convergem em indicar um evento de calor com força incomum com valores de temperatura muitíssimo acima da climatologia normal do mês de janeiro (…)”, afirma o serviço de meteorologia MetSul.

É  segunda vez que a região do Cone Sul é atingida por calor excessivo neste verão.

No final de dezembro, os termômetros chegaram a cravar 46,6ºC na cidade argentina de Rivadavia, na Patagônia, a 1.700 quilômetros de Buenos Aires

A capital argentina, por sinal, deverá ter temperaturas acima dos 40ºC pela primeira vez desde 1999.

O Serviço Meteorológico Nacional da Argentina aviso especial sobre a onda de calor que se aproxima. Segundo a agência, as temperaturas começam a subir a partir desta semana nas províncias de Rio Negro, Neuquén, Mendoza, La Pampa, Buenos Aires, San Luis, San Juan, La Rioja, Catamarca, Tucumán Salta, Jujuy, Santiago del Estero, Chaco e Formosa.

“Dessa forma, toda a região vai registrar condições de muito calor ao longo da semana, com temperaturas máximas que ficarão entre 35ºC e 42°C, podendo ser superadas em alguns locais”, afirma a agência.

“Por outro lado, as temperaturas mínimas ficarão entre 25ºC e 30°C, e é possível que ainda sejam superiores a 30°C. Essa situação será acompanhada por uma escassez de chuvas – apenas com algumas tempestades isoladas – o que vai intensificar as condições de estiagem que já existem em algumas regiões, e o consequente risco de incêndios”, advertiu o órgão de Meteorologia da Argentina.

Continua após a publicidade

Publicidade