Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tempestade Elsa atrapalha buscas por sobreviventes de desabamento em Miami

Mais 4 vítimas foram encontradas nesta terça-feira, elevando o número de mortes para 32; Outras 113 pessoas permanecem desaparecidas

Por Da Redação 6 jul 2021, 11h54

O avanço da tempestade tropical Elsa na Flórida nesta terça-feira, 6, impôs novas dificuldades às buscas por sobreviventes nos escombros de um prédio que desabou em Miami na última semana. Apesar de a rota da tempestade ter sido desviada para o oeste, a região ainda espera muita chuva e tempestades de raios. 

De acordo com meteorologistas locais, fortes chuvas são esperadas em Surfside, local onde o ala nordeste do edifício Champlain Towers desabou em poucos segundos na madrugada do dia 24 de junho. É previsto ainda que a tempestade possa evoluir novamente para um furacão antes de atingir a costa próximo a região de Tampa.  

Segundo a prefeita de Miami-Dade, Daniella Levine Cava, as equipes de resgate conseguem trabalhar durante as chuvas, mas os relâmpagos e os raios impedem a continuação das buscas. Além disso, partes da garagem subterrânea, área na qual é esperado que seja possível enxergar com mais clareza os possíveis espaços vazios embaixo dos escombros, foi inundada.  

Apesar das pausas terem frustrado as equipes de busca, Levine Cava reiterou em entrevista coletiva o empenho dos profissionais em encontrar os desaparecidos.  

“Eles vivem para salvar vidas e têm seguido em frente, não importa o que seja colocado em seu caminho”, disse. 

Continua após a publicidade

Os socorristas tiveram um grande impulso nas buscas desde segunda-feira, 5, quando a parte do edifício que não havia desabado foi demolida. Com a derrubada, foi possível acessar áreas que até então eram inacessíveis, inclusive quartos onde se espera que moradores estivessem dormindo durante o momento da queda. 

Ainda na segunda-feira mais um corpo foi retirado dos escombros. Nesta terça-feira, mais 4 vítimas foram encontradas, elevando o número de mortes para 32.  Destes, 26 já foram identificados. Outras 113 pessoas permanecem desaparecidas. 

Ninguém foi resgatado com vida desde as primeiras horas após o colapso, porém as equipes de resgate seguem as buscas na esperança de encontrar todos os desaparecidos.  

Por motivos ainda não determinados, a ala nordeste do edifício Champlain Towers, inaugurada em 1981 e com um total de 136 apartamentos, desabou em poucos segundos na madrugada do dia 24, quando seus moradores dormiam. Os apartamentos disponíveis no prédio são considerados de alto padrão, tem vista para o mar e podem custar até 700.000 dólares (cerca de 3,5 milhões de reais). 

Em março passado, Jean Wodnicki, presidente da associação de condôminos, alertou em carta sobre a “piora significativa” dos danos, que eram visíveis nos pilares da garagem e tendiam a “se multiplicar”. A carta orçava a reforma necessária em 20 milhões de dólares e previa seu início em alguns meses.

Continua após a publicidade
Publicidade