Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Funcionário de prédio que desabou em Miami alertou sobre desastre iminente

Em carta, presidente da administradora do condomínio Champlain Towers South relatou que danos estruturais do prédio haviam piorado significativamente

Por Da Redação Atualizado em 29 jun 2021, 12h45 - Publicado em 29 jun 2021, 12h43

Cerca de três meses antes do colapso do complexo de condomínios Champlain Towers South em Surfside, Flórida, a presidente da administradora do condomínio alertou em carta que os danos no prédio “pioraram significativamente” desde que foi feita a última inspeção, em 2018 .

O prédio de 12 andares desmoronou na última quinta-feira em Miami Beach, na Flórida. Uma enorme operação de resgate foi iniciada para buscar possíveis sobreviventes entre os escombros. Até agora nove mortes foram confirmadas.

A carta foi escrita aos residentes por Jean Wodnicki, da diretoria da administradora, explicando por que uma lista de extensos projetos de construção valia uma avaliação especial de 15 milhões de dólares que os residentes estavam sendo solicitados a pagar.

Junto com a inspeção de 2018, que alertou sobre “grandes danos estruturais”, a carta, uma cópia obtida pelo The New York Times, acrescenta a um crescente corpo de evidências de que engenheiros alertaram sobre sérias falhas nos meses de construção e até anos antes da falha catastrófica do edifício, que matou 11 pessoas e deixou 150 desaparecidos.

Essa inspeção de 2018 alertou que os danos concretos “se multiplicariam exponencialmente” nos próximos anos, escreveu Wodnicki na carta, que foi relatada pela primeira vez pelo USA Today e pelo The Wall Street Journal

Continua após a publicidade
  • O engenheiro que preparou aquele relatório inicial, Frank Morabito, fez “um levantamento muito mais detalhado da propriedade” e encontrou indícios de que essa aceleração de fato já estava acontecendo. 

    “Quando você pode ver visualmente a fragmentação (rachadura) do concreto, isso significa que o vergalhão que o mantém unido está enferrujando e se deteriorando sob a superfície”, escreveu Wodnicki.

    Ela explicou que esses sinais de danos crescentes eram a razão de os custos estimados de reparo terem aumentado cerca de 60% desde a inspeção de 2018. “A deterioração do concreto está se acelerando. A situação do telhado piorou muito”, escreveu ela, acrescentando: “novos problemas foram identificados”.

    “Muito desse trabalho poderia ter sido feito ou planejado em anos passados”, relatou, “Mas é aqui que estamos agora”.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade