Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Temer janta com Trump em Nova York

Um pequeno grupo de brasileiros se reuniu na frente do hotel onde acontece o evento para protestar contra a presença de Michel Temer

Por Da redação 18 set 2017, 21h32

Michel Temer participa nesta segunda-feira de um jantar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Nova York. Outros líderes latino-americanos, como Juan Manuel Santos (Colômbia) e Juan Carlos Varela (Panamá) também foram convidados para o evento, no qual debatem a atual crise na Venezuela.

O jantar começou com um discurso do líder americano contra o regime de Nicolás Maduro. Trump afirmou que quer a restauração da democracia venezuelana em breve, e alertou que pode adotar medidas adicionais para aplicar pressão sobre o país.

Segundo o presidente dos Estados Unidos, o povo venezuelano está faminto e o país está desmoronando. Ele pediu a restauração integral da democracia e das liberdades políticas na Venezuela e disse: “Queremos que aconteça muito em breve”.

O presidente Michel Temer durante jantar com o presidente americano Donald Trump, em Nova York – 18/09/2017 Beto Barata/PR
Continua após a publicidade

O presidente Michel Temer não escapou dos gritos de “fora, Temer” na sua chegada ao hotel Lotte Palace New York, no qual participa do jantar. Do outro lado da rua do estabelecimento, um pequeno grupo de brasileiros protestava contra a presença do presidente. Segundo assessores, Temer não chegou a ver a movimentação.

Os líderes se reúnem em Nova York um dia antes do início da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas. O presidente Temer inaugurará nesta terça-feira a reunião da ONU, que deve tratar de temas como o programa nuclear e balístico da Coreia do Norte e as atrocidades cometidas pelo governo de Mianmar contra a minoria muçulmana rohingya.

Este é o primeiro encontro entre Trump e Temer desde a posse do presidente americano, oito meses atrás. Os dois se cumprimentaram e falaram rapidamente durante a reunião do G20 em Hamburgo, na Alemanha, em julho.

Venezuela

Estados Unidos, Brasil, Colômbia e Peru são críticos do governo de Nicolás Maduro na Venezuela, mas mesmo assim têm algumas diferenças sobre a forma como a comunidade internacional deve se posicionar em relação à crise neste país.

A mais clara dessas discrepâncias foi anunciada publicamente no mês passado, quando Trump afirmou que os americanos tinham “muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se necessário”. Essa declaração foi rejeitada pelos países da América Latina, que defenderam uma solução diplomática e condenaram de forma enfática a possibilidade de uma intervenção armada americana.

(com agências internacionais)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês