Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Russa é presa em Washington acusada de ser agente do governo Putin

De acordo com a queixa, Maria Butina tentava influenciar políticos americanos e se infiltrou em uma organização pró-direito de uso de armas

Por Da Redação
Atualizado em 16 jul 2018, 23h00 - Publicado em 16 jul 2018, 20h25

Uma russa de 29 anos que morava em Washington foi presa e acusada de conspiração por agir como uma agente do governo da Rússia enquanto desenvolvia laços com cidadãos americanos e se infiltrava em grupos políticos, informou o Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta segunda-feira, 16.

Maria Butina é acusada de atuar sob direção de uma autoridade de alto escalão que trabalhava para o Banco Central russo que recentemente sofreu sanções do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro dos Estados Unidos, informou o Departamento de Justiça em comunicado.

Os registros do tribunal não nomeavam a autoridade. No entanto, ela é vista em diversas fotografias em sua página no Facebook com Alexander Torshin, vice-chefe do Banco Central russo. Uma pessoa familiar à questão confirmou à agência Reuters que ela trabalhava para ele.

Torshin foi alvo de sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos em abril.

Maria Butina foi presa no domingo, 15, e a Justiça determinou que ela permaneça detida ao menos até a realização de uma audiência, marcada para quarta-feira, 18, de acordo com o comunicado. Ela estudou na Universidade Americana, em Washington, e é uma das fundadoras da organização russa pró-direito de uso de armas Right to Bear Arms.

A queixa foi tornada pública no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se encontrou com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em uma cúpula em Helsinque, capital da Finlândia, na qual Trump se recusou a culpar o líder russo por interferência na eleição presidencial americana de 2016.

Antes da cúpula, Trump também usou o Twitter para criticar a investigação do procurador especial Robert Mueller sobre um possível complô entre a campanha de Trump e a Rússia, chamando a investigação de “caça às bruxas manipulada”.

A investigação sobre os esforços de Maria Butina para influenciar políticos americanos foi supervisionada pela Divisão de Segurança Nacional do Departamento de Justiça, e não pelo escritório de Mueller.

Continua após a publicidade

De acordo com a queixa, ela trabalhou com dois cidadãos americanos não nomeados e com a autoridade russa para tentar influenciar políticos americanos e se infiltrar em uma organização pró-direito de uso de armas.

A queixa não nomeia o grupo. No entanto, fotografias em sua página no Facebook mostram que ela participou de eventos patrocinados pela Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês), o mais poderoso grupo pró-armas dos EUA.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.