Clique e assine com 88% de desconto

Influência russa na eleição de Trump contamina seu encontro com Putin

Reunião para recompor as relações entre os EUA e a Rússia, na pior fase desde a Guerra Fria, sucumbe às divergências entre ambos sobre Alemanha e Irã

Por Solly Boussidan, Denise Chrispim Marin - Atualizado em 16 jul 2018, 19h49 - Publicado em 16 jul 2018, 17h36

Ao lado de seu colega russo Vladimir Putin, nesta segunda-feira, 16, em Helsinque, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou a veracidade da interferência do Kremlin na sua eleição para a Casa Branca, em 2016, e chamou a investigação federal nos Estados Unidos sobre o caso de “um erro” e de “ridícula”.

Abordado largamente pela imprensa, o tema provocou constrangimento nos dois líderes. “Todos sabem que houve zero conluio. Vencemos a Hillary Clinton de forma grandiosa. Esse inquérito é ridículo”, disse Trump. “Não houve conluio, não houve mentiras. Eu não conhecia o Putin [naquela época].”

Trump e Putin tiveram seu primeiro encontro bilateral em terreno neutro a capital da Finlândia após a participação do americano na reunião de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e de sua visita oficial ao Reino Unido. O peso das declarações de Trump contra a União Europeia, de sua defesa da Rússia e das manifestações públicas contra sua presença no Reino Unido foram as marcas do tour europeu do presidente americano.

A investigação sobre a influência russa na eleição presidencial americana é conduzida pelo procurador federal Robert Mueller. Na sexta-feira, doze agentes russos foram indiciados por terem se infiltrado nos computadores do Comitê Central Democrata e nos da campanha de Hillary, em prejuízo para a candidata democrata.

Publicidade

“Eu gostaria de ver os servidores do Comitê Central Democrata [que foram hackeados durante a eleição]. Onde está o servidor do empregado paquistanês que trabalhava para eles? Como não conseguimos recuperar os 33.000 e-mails que estavam no servidor pessoal de Hillary Clinton? Eu gostaria de ver os 33.000 e-mails mantidos privados por Hillary Clinton!”, esbravejou.

Putin afirmou que “devemos sempre nos guiar pelos fatos”. “Dá para apontar um único fato que nos levaria a deduzir que houve um conluio?”, indagou. O presidente russo acrescentou que, se o procurador solicitar, as autoridades de seu país poderiam interrogar os “doze supostos agentes de inteligência”, “com base na reciprocidade”. Trump se absteve de responder se extraditaria os suspeitos para a Rússia.

Um jornalista, entretanto, questionou Trump: “Em quem você acredita, senhor presidente, na inteligência americana ou no senhor Putin?”. O americano não deu uma resposta clara e se negou a culpar o colega russo. “Tenho uma enorme confiança na inteligência dos Estados Unidos, mas Putin foi muito assertivo e convincente ao negar que a Rússia tenha interferido [na eleição de 2016]”, afirmou.

Estresses

Aliados na questão da eleição americana de 2016, Trump e Putin se irritaram ao abordar a dependência europeia do gás, carvão e petróleo russos. Na semana passada, na sede da Otan, o americano criticou a Alemanha por ser refém do gasoduto russo. Essas exportações estão entre as atividades econômicas mais dinâmicas da Rússia.

Publicidade

Trump afirmou que Putin era um competidor nessa área dos Estados Unidos e que considerava isso um elogio. “A Rússia tem uma proximidade geográfica [da Europa] que é uma vantagem. Mas hoje em dia nós somos o número um em extração e vamos competir”, disse o americano, referindo-se sobretudo às explorações de gás e óleo de xisto em seu país.

Putin tentou esboçar uma reação ao mencionar o último inverno europeu um dos mais frios dos últimos anos. Mas conseguiu apenas fazer com que seu par americano voltasse seus ataques à Alemanha, um de seus alvos prediletos. “Conversei com Angela Merkel sobre isso de forma muito dura. A Alemanha está gastando bilhões com energia russa. Não sei se isso é bom para a Alemanha, mas enfim…”, declarou Trump, referindo-se à chanceler alemã.

Tida como improvável há alguns meses, a reunião entre os dois presidentes era uma das mais aguardadas. As relações bilaterais degringolaram a níveis não vistos desde a Guerra Fria em parte, como resultado da acusação de interferência russa na eleição americana e de um suposto conluio entre o Kremlin e a campanha de Trump para derrotar Hillary.

De acordo com Putin, uma das principais razões do encontro foi “restaurar o nível de confiança nas relações entre Rússia e Estados Unidos, que estavam abaladas”. Trump concordou com o colega. “Os desentendimentos entre nossos dois países são bastante conhecidos e públicos, mas vamos trabalhar para resolvê-los”, afirmou. “Mesmo durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a Rússia tinham um diálogo mais aberto e potente. Nossas relações nunca estiveram tão ruins quanto agora. Mas isso mudou há cerca de quatro horas, com meu encontro com o presidente Putin, creio eu”, completou Trump.

Publicidade

O americano ofereceu à imprensa poucas informações sobre como pretende melhorar a relação com Moscou. Repetidamente, restringiu-se a dizer que as conversas haviam sido “diretas, abertas, profundas e produtivas”. A munição do americano parecia estar mais voltada para setores domésticos de seu país do que para os problemas que a Rússia tem causado mundo afora.

Putin quis dar mais mostras das supostas boas relações bilaterais de outrora, explicando que Rússia e Estados Unidos possuem um pacto de assistência mútua em questões críticas, no qual os serviços de segurança dos dois países cooperam e que “funciona muito bem”. Trump lembrou que seu país cooperou com a Rússia durante a Copa do Mundo de 2018 e que, em 2017, os Estados Unidos alertaram os russos sobre um ataque terrorista planejado para ocorrer em São Petersburgo.

“Os russos agiram e pararam os terroristas, e o presidente Putin até ligou de volta para agradecer pelas informações”, explicou. “Nossos militares se dão muito bem, provavelmente melhor do que os líderes políticos de nossos países”, disse Trump, obtendo a concordância imediata de Putin à declaração.

Ao listar os tópicos discutidos, Putin disse que as duas maiores potências atômicas do mundo vão trabalhar juntas pelo desarmamento, que se comprometeram a não colocar armas no espaço e que irão cooperar na luta contra o terrorismo. “Nosso trabalho conjunto na Síria prova que podemos assumir a liderança quando trabalhamos juntos”, afirmou o russo.

Publicidade

“Discutimos a crise da Síria em profundidade. Praticamente eliminamos o Estado Islâmico (EI) no país trabalhando juntos”, complementou Trump. “Assim como nós, os russos também estão comprometidos com a segurança de Israel e com o que ocorre na Síria”, disse. “Estamos trabalhando com Israel e falei com Bibi [Benjamin] Netanyahu para criarmos paz para Israel.”

Putin confirmou que seu país tem interesse em uma “paz duradoura” em Israel e na Síria, “especialmente na questão das Colinas do Golã”. Mas mostrou-se preocupado com a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, de 2015, e no que isso pode significar para o Oriente Médio. “Nenhum outro país nunca foi tão vigiado e inspecionado quanto o Irã para garantir que seu desenvolvimento nuclear tenha fins pacíficos”, afirmou Putin, contrariando totalmente a opinião propagada pelo americano.

“Tenho certeza que nos encontraremos novamente no futuro e com frequência”, concluiu Trump, depois de receber de presente de Putin uma bola da Copa do Mundo, “já que os Estados Unidos sediarão a Copa de 2026”. “A bola será de meu filho Barron”, anunciou o presidente americano.

 

Publicidade