Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Refugiados LGBT temem futuro após medida de Trump

Desde que o governo dos Estados Unidos cancelou pedidos de asilo, homossexuais fugidos do Irã não podem entrar no país

Quando escaparam da perseguição no Irã, gays, lésbicas, bissexuais e transexuais acreditaram que encontrariam um lugar seguro nos Estados Unidos. Enquanto aguardavam a aceitação de seus pedidos de asilo, porém, o presidente Donald Trump anunciou a ordem executiva que proíbe a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos.

A medida para “combater o terrorismo”, anunciada na semana passada, também suspendeu o sistema americano para admissão de refugiados por pelo menos 120 dias. O presidente republicano afirmou que irá priorizar a aceitação de membros de minorias religiosas, como católicos, mas não fez menção sobre aqueles que oprimidos por sua orientação sexual.

Mitra, de 27 anos, deixou o Irã em 2014, onde a homossexualidade é passível de pena de morte, após ser perseguida por editar uma revista LGBT. Assim como outra dezena de iranianos, ela fugiu para Turquia, de onde pode conduzir o processo legal para receber asilo nos Estados Unidos. De acordo com o jornal The Guardian, Mitra passaria por sua última entrevista com a agência de refugiados das Nações Unidas neste mês. “Me ligaram e disseram que foi cancelada”, disse à publicação.

Antes da ordem de Trump, os Estados Unidos eram o único lugar viável para gays iranianos. O Canadá deixou de aceitá-los, porque decidiu focar em receber refugiados sírios. Já os países europeus não costumam aceitar pedidos de fugitivos que chegaram através Turquia, onde dizem estarem sofrendo ainda mais com preconceito e violência. “Meus sonhos e esperanças estão sendo destruídos. Não importa se vou para o Canadá ou os Estados Unidos, só quero ir para qualquer lugar seguro”, disse Mitra ao Guardian.

Gay e com deficiência física, Javad, de 50 anos, já viu dois amigos serem espancados na Turquia, além presenciar diversos suicídios. “Fui abandonado pela minha família, pelo meu país e agora não tenho onde ir”, comentou. Assim como Mitra, Javad pede que Trump abra exceção na ordem para casos de asilo por orientação sexual, da mesma forma que há para minorias religiosas.

Para Ana, forçada a abandonar o filho de 7 anos no Irã por ser lésbica, ainda é “inacreditável” que os pedidos sejam cancelados pelos Estados Unidos, uma vez que passam por longos processos legais junto à ONU. “As ordens deveriam dizer respeito a imigrantes ilegais, não refugiados como nós”, disse ao site BuzzFeed News.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. francisco batista

    Veja não para de tripudiar o governo Trump,com se isto fosse visto pelo governo americano

    Curtir

  2. Rogerio Araújo

    MAS os LGBT não dizem “não à islamofobia” ? Pois é.

    Curtir

  3. Wolfgang Amadeus

    Pessoas no ocidente defendendo o Islã como religião de paz, enquanto isso eles acham que devem matar todos os infiéis (não muçulmanos), homossexuais, mulheres que mostrem o rosto ou os cabelos.

    Curtir

  4. essa ve ja e esses comunistas mundiais n tem o mas o q fazer para criticar o mitonildo.

    Curtir

  5. célio alvarenga marques

    o que o mundo deseja saber é se,exercendo as funções de primeira dama,ivanka trump divide o leito com o presidente!

    Curtir

  6. célio alvarenga marques

    o que a gente quer saber é sobre a vida sexual de donald com ivanka!

    Curtir