Clique e assine a partir de 9,90/mês

Parlamento aprova destituição da presidente sul-coreana

Enquanto se aguarda a decisão do Tribunal Constitucional, a presidente será privada imediatamente de todos seus poderes à frente do Estado

Por Da redação - 9 dez 2016, 07h25

O Parlamento da Coreia do Sul aprovou nesta sexta-feira, com mais de dois terços dos votos, a destituição da presidente Park Geun-hye, envolvida no grave escândalo da “Rasputina coreana”. O “sim” para o processo de impeachment ganhou com 234 votos a favor, 56 contra, sete nulos e duas abstenções, pouco mais de uma hora após começar a sessão, onde votaram 299 dos 300 representantes da Assembleia Nacional.

A responsabilidade agora está com o Tribunal Constitucional, onde pelo menos seis de seus nove juízes devem dar o sinal verde para a decisão do Parlamento, em processo que levaria, no máximo, 180 dias. Enquanto se aguarda a decisão do Tribunal Constitucional, a presidente será privada imediatamente de todos seus poderes à frente do Estado, desde o controle do Exército até o direito a veto ou decisões de política externa.

Leia também
Entenda a reviravolta na política sul-coreana
Milhares marcham na Coreia do Sul pedindo saída da presidente
Justiça: presidente sul-coreana é cúmplice em caso de corrupção

Após receber oficialmente a resolução da Assembleia Nacional, Park deverá passar o poder para o primeiro-ministro, Hwang Kyo-ahn, que comandará provisoriamente o país. O resultado da votação de hoje revela que a maioria dos 128 deputados do partido conservador da presidente Park, o Saenuri, deram as costas a sua líder ao optarem pelo impeachment.

A histórica decisão do pParlamento foi celebrada efusivamente por centenas de opositores da presidente concentrados na frente da Assembleia Nacional. Milhões de pessoas foram para as ruas nas últimas semanas em protestos em todo o país para exigir a saída da presidente por seu envolvimento no famoso caso da “Rasputina coreana”.

Continua após a publicidade

Leia mais
Presidente da Coreia do Sul nega fazer parte de culto religioso 
Hackers do governo norte-coreano invadem sistema militar do sul

A presidente foi apontada como cúmplice de Choi Soon-sil, sua amiga íntima acusada, entre outras coisas, de ter interferir em assuntos de Estado sem possuir cargo público, além de ter pressionado empresas para obter numerosas somas de dinheiro que ela teria se apropriado parcialmente.

(Com agências EFE e Estadão Conteúdo)

Publicidade