Clique e assine a partir de 8,90/mês

Obama enviou carta secreta ao Irã sobre combate ao EI

Correspondência destacava interesse comum e negociação sobre programa nuclear iraniano, afirma reportagem publicada pelo 'Wall Street Journal'

Por Da Redação - 6 nov 2014, 17h36

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou uma carta secreta ao líder espiritual do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, sobre o combate ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI). Segundo o Wall Street Journal, na correspondência, o presidente americano salientou o interesse comum em conter o avanço dos jihadistas e afirmou que a cooperação entre os EUA e o Irã na luta contra o EI estava atrelada ao acordo sobre o programa nuclear da República Islâmica.

“A correspondência ressalta que Obama vê o Irã como importante (seja em um potencial papel construtivo ou negativo) para sua emergente campanha diplomática e militar para tirar o Estado Islâmico dos territórios tomados nos últimos seis meses”, afirma a reportagem, citando pessoas com conhecimento sobre a carta como fonte da informação.

Segundo o ‘WSJ’, funcionários do governo americano se recusaram a falar sobre o tema, mas integrantes da administração Obama não negaram a existência da correspondência ao serem questionados por diplomatas estrangeiros nos últimos dias.

Leia mais:

Estado Islâmico crucifica 12 homens no nordeste da Síria

Confrontos e bombardeios em Kobani deixam mais de vinte mortos

Obama pedirá atualização de lei do 11/9 para ampliar ofensiva contra EI

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse nesta quinta-feira que a política americana para Teerã não foi alterada. Sem comentar diretamente a correspondência, ele afirmou que os EUA discutiram a campanha contra o Estado Islâmico com o Irã à margem das negociações sobre o programa nuclear.

Continua após a publicidade

“Os Estados Unidos não vão cooperar militarmente com o Irã em nenhum esforço. Não vamos compartilhar inteligência com eles. Mas o interesse deles na questão é algo que tem sido amplamente comentado e que em algumas ocasiões foi discutido à parte de outras conversas”, ressaltou o porta-voz.

O presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, declarou em entrevista coletiva que não confia nos políticos iranianos e não acha saudável a inclusão de Teerã na luta contra os jihadistas do EI.

Leia também:

China pretende estreitar laços militares com Irã

Obama planeja ignorar Congresso no caso de um acordo com Irã

A pressão de Obama por um acordo nuclear com o Irã enfrentará mais resistência depois das eleições desta semana, que deram aos republicanos o controle do Senado, aumentando o poder de tanto bloquear um acordo como impor novas sanções contra o país persa. Já foram apresentadas propostas sobre novas punições no Senado.

A Casa Branca não informou os aliados americanos no Oriente Médio – incluindo Israel, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos – sobre a carta, informa a reportagem. Os líderes desses países manifestam preocupação crescente de que os EUA estejam planejando suavizar suas demandas na negociação sobre o programa nuclear.

A partir de domingo, o secretário de Estado americano, John Kerry, deve iniciar negociações diretas sobre a questão nuclear com o chanceler iraniano, Javad Zarif, em Omã, no Golfo Pérsico.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade