Clique e assine a partir de 8,90/mês

No aniversário de Putin, Rússia testa novo míssil hipersônico

Lançamento acontece em meio às negociações sobre renovação do último grande pacto nuclear com os EUA, que expira em fevereiro

Por Da Redação - Atualizado em 7 out 2020, 13h06 - Publicado em 7 out 2020, 12h44

A Rússia anunciou nesta quarta-feira, 7, ter lançado com sucesso um novo míssil de cruzeiro hipersônico, em um teste que foi comemorado como um “grande acontecimento” para “todo o país” pelo presidente Vladimir Putin, que completa 68 anos. 

O míssil Tsirkon lançado terça-feira do Mar Branco, no Ártico russo, pela fragata Almirante Gorchkov tinha como alvo um ponto a 450 km de distância, no Mar de Barents, anunciou o chefe do Estado-Maior russo, Valery Gerasimov.

Em vídeo publicado pela agência de notícias estatal russa, Tass, é possível ver o momento em que o projétil é lançado. 

Continua após a publicidade

O tempo de voo foi de 4 minutos e meio e o míssil atingiu a velocidade de Mach 8, equivalente a oito vezes a velocidade do som, ou mais de 9.800 km/h. Segundo o militar, “os objetivos do lançamento foram cumpridos”.

“É um grande acontecimento não apenas na vida das Forças Armadas, mas para toda Rússia”, afirmou Putin.

A Rússia desenvolveu nos últimos anos uma nova geração de armas, incluindo mísseis apresentados por Putin como “invencíveis”, em um cenário de intensas tensões com o Ocidente e, em particular, com Washington. O Novo START, o último grande pacto de armas nucleares em vigor entre Rússia e Estados Unidos, expira em fevereiro. Além do aniversário do mandatário, o teste do novo míssil também coincide com uma nova rodada de conversas sobre o pacto, que aconteceu na segunda-feira 5 em Helsinki, Finlândia

Somado a isso também está a presença da Rússia em turbulências externas, como a disputa entre a Armênia e o Azerbaijão em Nagorno-Karabakh e a crise política em Belarus. Apesar de mais próxima da Armênia, com quem integra uma aliança militar, a Rússia também fornece armas para o Azerbaijão.

“Os equipamentos do nosso Exército e da nossa frota com sistemas de armas ultramodernos, que não têm equivalente no mundo, vão sem dúvida garantir as capacidades defensivas do nosso país a longo prazo”, ressaltou Putin.

O presidente revelou o desenvolvimento de novos mísseis durante um discurso ao Parlamento em fevereiro de 2019, garantindo que eles poderiam mirar em alvos no mar e em terra, a uma distância de 1.000 km, e atingir uma velocidade de Mach 9.

Entre essas armas estão mísseis balísticos intercontinentais, outros hipersônicos, ou mesmo mísseis de cruzeiro Burevestnik, movidos a energia nuclear. No final de 2019, o Exército russo anunciou a entrada em serviço de seus primeiros mísseis hipersônicos Avangard.

O desenvolvimento deste tipo de material bélico não é isento de risco, no entanto. Em agosto de 2019, uma explosão matou sete pessoas em uma plataforma de lançamento. Especialistas ocidentais afirmam que se tratavam de testes para os mísseis Burevestnik.

Continua após a publicidade
Publicidade