Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Lula acordou tarde para uma das principais prioridades de Fernando Haddad

Desde a posse na Fazenda, ministro defende revisão das bilionárias desonerações tributárias, tema que só agora apareceu no discurso de seu chefe

Por Daniel Pereira Atualizado em 22 jun 2024, 12h35 - Publicado em 22 jun 2024, 12h09

Depois de ajudar a enterrar a medida provisória (MP) que restringia o uso de crédito de PIS/Cofins e, assim, fragilizar o ministro da Fazenda Fernando Haddad, Lula resolveu se solidarizar com a equipe econômica do governo. O presidente elogiou o trabalho de Haddad, até como forma de atenuar a fritura pública do auxiliar, e recebeu os integrantes da chamada Junta de Execução Orçamentária para tratar de medidas destinadas a garantir o equilíbrio das contas públicas.

Após a reunião, Lula demonstrou pela primeira vez, depois de um ano e meio de seu terceiro mandato, insatisfação com a quantidade de favores fiscais concedidos pelo governo no Brasil. “Estamos fazendo um estudo muito sério sobre o Orçamento. Não gosto de gastar aquilo que eu não tenho. A equipe econômica tem que me apresentar as necessidades de corte”, disse o presidente em entrevista à rádio CBN.

Na sequência, emendou: “Quando eu vi a demonstração (da ministra do Planejamento, Simone Tebet), disse para ela que fiquei perplexo. A gente discutindo corte de 10 bilhões de reais, de 15 bilhões de reais, e de repente você descobre que tem 546 bilhões de reais de benefício fiscal para os ricos neste país. Como é que é possível?”.

Esquecimento ou conveniência?

O presidente sabe muito bem como foi possível chegar a esse quadro. Os benefícios ganharam tração, por exemplo, nos governos anteriores do PT, que apostaram em favores tributários para impulsionar setores da economia, como o automobilístico. O problema não é novo. Ao tomar posse na Fazenda, o próprio Haddad disse que pretendia enfrentá-lo.

Continua após a publicidade

“Nós queremos que a sociedade discuta se esses favores são legítimos ou não, se eles estão revertendo em coisas positivas. Sou a favor de manter, por exemplo, o Prouni, que concede bolsas que permitem a alunos de escola pública, pobres e negros, frequentar a faculdade. Como é que eu vou fechar os olhos para isso?”, disse o ministro numa entrevista a VEJA após a aprovação da reforma tributária pela Câmara, em junho do ano passado. “Agora, de 6% do PIB, que hoje é o patamar das desonerações apenas no plano federal, vamos achar 1,5 ponto percentual para cortar”.

O plano do ministro, naquela época, era cortar cerca de 150 bilhões de reais em desonerações. Muito pouco foi feito nessa seara desde então. É por isso que a Fazenda luta por medidas que, segundo o próprio Lula, buscam 15 bilhões de reais aqui, 10 bilhões de reais ali. Sem empenho do presidente e do governo, o cerco aos favores bilionários aos “ricos deste país” só existirá nos discursos oficiais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.