Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Rússia chama EUA para negociar, mas diz que Ucrânia precisa estar na pauta

Porta-voz do Kremlin afirmou haver necessidade de diálogo sobre segurança com a Casa Branca e volta a dizer que americanos se envolveram na guerra

Por Da Redação
Atualizado em 21 jun 2024, 10h52 - Publicado em 21 jun 2024, 10h43

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou nesta sexta-feira, 21, que a Rússia vê necessidade urgente de negociações de segurança com os Estados Unidos, mas enfatizou que o diálogo precisa ser “abrangente” e incluir o tema da guerra na Ucrânia.

“É impossível eliminar quaisquer segmentos individuais do complexo geral de problemas acumulados, e não faremos isso”, disse Peskov, ao ser questionado em coletiva de imprensa se Moscou estava pronta para conversar com Washington sobre ameaças nucleares.

“Estamos abertos ao diálogo, mas a um diálogo amplo e abrangente que cubra todas as dimensões, incluindo a dimensão atual relacionada com o conflito em torno da Ucrânia, relacionada com o envolvimento direto dos Estados Unidos neste conflito”, declarou ele a repórteres.

Divergências

Os Estados Unidos rejeitam a acusação da Rússia de que, por doar armas à Ucrânia, acabou se tornando um protagonista na guerra, com objetivo de infligir uma “derrota estratégica” a Moscou. Para Washington, quaisquer negociações sobre o conflito deveria ser um assunto da Ucrânia.

A posição russa, tal como delineada por Peskov, não é nova. Mas ele afirmou na coletiva de imprensa que a lista de temas que a Rússia e os Estados Unidos precisam discutir está crescendo.

Continua após a publicidade

“No geral, esse diálogo é muito necessário”, disse o porta-voz do Kremlin. “É necessário, porque os problemas estão se acumulando e há muitos problemas associados à arquitetura de segurança global”, completou.

Do ponto de vista da Casa Branca, é o presidente russo, Vladimir Putin, quem faz aumentar a lista de preocupações globais com segurança.

Nesta semana, o líder da Rússia visitou a Coreia do Norte, uma das poucas nações que possui armas nucleares, onde assinou um acordo de defesa mútua com Kim Jong-un e disse que poderia fornecer armas russas a Pyongyang em resposta às doações de equipamentos militares por parte do Ocidente à Ucrânia.

Na quinta-feira 20, Putin também reiterou que estava considerando reavaliar a doutrina da Rússia sobre o uso de armas nucleares. O tratado que limita o número de ogivas estratégicas que a Rússia e os Estados Unidos podem acumular expira em 2026.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.