Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Milhares protestam no México após massacre de estudantes

Mais de 40 jovens estão desaparecidos desde 26 de setembro, em Guerrero, no sul do México. Polícia encontrou 28 corpos que podem ser dos estudantes

Por Da Redação 9 out 2014, 08h20

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas de várias cidades do México na quarta-feira à noite indignadas contra o massacre de estudantes no Estado de Guerrero, sul do país. Há indícios de que os assassinatos foram cometidos pela polícia em conluio com o crime organizado e grupos de narcotraficantes. Em um dos piores episódios da guerra às drogas, 46 alunos do magistério desapareceram no dia 26 de setembro em Iguala, a terceira maior cidade do Estado, depois de um protesto em que a polícia matou dois deles e prendeu dezenas, levando-os em camburões. No fim de semana foram encontrados 28 cadáveres queimados na periferia da cidade e o governador do Estado, Angel Aguirre, disse acreditar que eram dos jovens.

Leia também

Polícia mexicana procura 46 estudantes desaparecidos

Em nova vitória sobre tráfico, México prende líder de cartel

Os exames de DNA ainda não foram divulgados, mas a Polícia Federal mexicana, que assumiu a investigação, informou que é muito provável que os corpos sejam dos estudantes. Em Chilpancingo, capital de Guerrero, parentes dos jovens, colegas da escola Ayotzinapa e ativistas bloquearam a movimentada rodovia do Sol, que conduz ao famoso balneário de Acapulco, e depois acamparam no centro da cidade.

Continua após a publicidade

“Ayotzinapa, crime de Estado” e “Chega de violência”, diziam os cartazes levados pelos manifestantes que exigiam a renúncia do governador. Na Cidade do México e em outros municípios manifestantes repetiam cantos contra o presidente Enrique Peña Nieto, que vem sendo criticado por intervir apenas uma semana depois, quando enviou autoridades federais a Iguala.

Leia mais

Preso no México o traficante mais procurado do mundo

México anuncia ‘segunda morte’ de líder do narcotráfico

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade