Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

México: 700 pessoas fogem de suas casas em meio a guerra de cartéis

Ao menos vinte morreram em janeiro, durante uma disputa entre os narcotraficantes do CJNG e de Sinaloa por rotas de contrabando

Por Da Redação
Atualizado em 23 jan 2024, 11h19 - Publicado em 23 jan 2024, 11h13

A escalada de violência entre dois cartéis do México levou ao menos 700 pessoas a abandonarem suas casas no estado de Chiapas, no sul do país. A informação foi divulgada nesta terça-feira, 23, pela agência de notícias Reuters. Dezenas de mortes já haviam sido registradas nas últimas semanas, em meio a uma disputa entre os narcotraficantes de Jalisco New Generation (CJNG) e de Sinaloa pelo controle de rotas de contrabando.

As comunidades de Chicomuselo e La Concordia, em Chiapas, foram pegas no fogo cruzado. Na primeira, moradores relataram que, somente no dia 4 de janeiro, quando um sangrento confronto tomou as ruas do pequeno município, 20 pessoas foram mortas. Entre elas, estavam 18 membros das gangues e dois civis.

Em comunicado, a população desabafou sobre “a dor ao ver crianças e jovens tremerem de medo e adoecendo” devido às “experiências traumáticas”. Eles também acusaram o governo de inação. O estado de Chiapas, habitado por maioria indígena, é considerado um dos mais pobres do país e é de particular interesse dos grupos criminosos pela fronteira com a Guatemala, por onde são contrabandeadas drogas, especialmente cocaína, e imigrantes ilegais rumo aos Estados Unidos. 

+ Cartéis são quinto maior empregador do México, revela pesquisa

Versão da promotoria

A promotoria de Chiapas, no entanto, rejeitou a versão apresentada pelos moradores. Cinco dias após os supostos assassinatos, o órgão publicou um comunicado em que dizia que não houve relato de vítimas na área.

Continua após a publicidade

Militares foram enviados para a região para combater o crime organizado, mas há risco de que civis sejam mortos em meio à troca de tiros com narcotraficantes. Sem saída, famílias decidiram cruzar a barco o lago Angostura para fugir da zona de conflito.

+ Cartel mexicano força moradores a usarem rede Wi-Fi fornecida por eles

Panorama no México

Em setembro do ano passado, estudo publicado na revista Science revelou que cartéis são o quinto maior empregador do México, com cerca de 175 mil “funcionários”. Os cientistas utilizaram uma década de dados sobre homicídios, desaparecimentos e prisões no país, além de informações sobre embates entre facções rivais.

Os índices de homicídio mais do que triplicaram entre 2007 e 2021, ano em que o governo registrou cerca de 34 mil assassinatos. Com isso, o México passou a ser considerado o país mais mortífero da América Latina. Acredita-se que ao menos 198 grupos armados tenham se estabelecido no país, muitos deles funcionando como subcontratados – espécie de milícia mercenária – em confrontos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.