Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Malaysia Airlines cancela promoção de “países para visitar antes de morrer”

A companhia asiática sofreu neste ano dois desastres aéreos que custaram a vida de 537 pessoas. Empresa se desculpou com os familiares das vítimas

Por Da Redação
3 set 2014, 12h14

A companhia aérea Malaysia Airlines voltou a ser alvo de protestos dos familiares das vítimas dos voos MH370, que se acidentou durante uma viagem de Kuala Lumpur a Pequim, e MH17, derrubado por um míssil russo no leste da Ucrânia. Mesmo com o histórico recente das tragédias, a empresa lançou uma promoção que perguntava quais eram os países que os seus passageiros gostariam de visitar antes de morrer. Intitulado “Minha Última Lista de Tarefas Antes de Morrer”, o concurso prometia distribuir passagens para a Austrália e Nova Zelândia, mas foi criticado por ser “inapropriado” e de “péssimo gosto”, segundo o jornal The Guardian. Juntas, as tragédias aéreas provocaram a morte de 537 pessoas.

Leia também:

Cronologia: avião desaparecido da Malaysia Airlines

Australiana perde parentes nos dois desastres da Malaysia Airlines

Continua após a publicidade

Vídeos mostram local da queda de avião da Malaysia Airlines na Ucrânia

Após ser duramente criticada, a empresa emitiu uma nota reconhecendo que a promoção não era adequada para o momento. Equipes de busca ainda estudam formas de encontrar os destroços do voo MH370, enquanto especialistas internacionais aguardam uma trégua nos conflitos do leste ucraniano para investigar mais a fundo o desastre envolvendo o MH17. “A companhia aérea entende e respeita os sentimentos do público e assegura que em nenhum momento quis ofender nenhum dos envolvidos”, diz o comunicado da Malaysia Airlines.

O concurso da empresa agora se chama “Ganhe um iPad ou um voo para a Malásia”. O Guardian destaca que a Malaysia Airlines tem enfrentado uma série de dificuldades para vender passagens após os dois desastres aéreos. A companhia já passava por uma delicada crise financeira antes de ter as suas finanças sacudidas pelas tragédias. Analistas dizem que a Malaysia não conseguiu acompanhar os avanços da concorrência no mercado financeiro asiático. Recentemente, a empresa demitiu 6.000 funcionários e precisou redefinir as rotas de viagem em que opera.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.