Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mais um efeito da pandemia: moedas somem nos EUA

Ao mesmo tempo, demanda por dinheiro em espécie cresce no país

Por Da Redação Atualizado em 18 jun 2020, 14h15 - Publicado em 18 jun 2020, 11h41

Nada de oferecer balinhas ou pedir para “ficar devendo”. Troco nos Estados Unidos é coisa séria. Não importa o valor da compra, todos os estabelecimentos dão o troco contadinho, incluindo as moedas de centavos, que ocupam espaço no bolso, mas valem pouco. Mas a pandemia de Covid-19, que deixou a economia dos Estados Unidos paralisada por meses, trouxe seus reflexos também nessa área. O país começou a enfrentar a escassez de moedas, segundo o presidente do Federal Reserve Bank, o banco central americano, Jerome Powell.

“Com o fechamento parcial da economia, o fluxo de moedas está meio que parado”, disse Powell.

Na segunda-feira, o banco central americano informou que a emissão e distribuição de moedas estão sendo racionadas. “Estamos cientes disso e estamos trabalhando com a Mint (onde o dinheiro é fabricado) e com os bancos de reserva (…) Sinto que estamos progredindo” em resolver a situação, afirmou Powell.

Segundo o jornal Wall Street Journal, o depósito de moedas em bancos caiu aproximadamente 50% em março, o que dificulta a circulação. Ao mesmo tempo, o Fed disse que a demanda por dinheiro em espécie aumentou no país, o que agravou a escassez.

Os dados mais recentes mostram que, até maio, quase dois trilhões de dólares de dinheiro em espécie circulavam no país. O que representa um aumento de quase 200 bilhões de dólares em relação ao montante que circulava em março, no início da pandemia no país. Ironicamente, uma maior circulação de moedas e cédulas nos Estados Unidos poderia aumentar os casos de Covid-19, já que elas passam de mãos em mãos.

Os Estados Unidos foram o país mais atingido pela pandemia. São mais de 40 milhões de pessoas que perderam seus empregos no país, e segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI),  o crescimento global cairá em 3%, enquanto os americanos irão sentir uma contração de 5,9% em 2020. Um motivo a mais para os americanos segurarem cada centavo no bolso. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)