Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Mais de 5 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde o início da guerra

Segundo o ACNUR, o conflito também deslocou mais de 7 milhões de pessoas dentro do próprio país

Por Amanda Péchy Atualizado em 20 abr 2022, 20h57 - Publicado em 20 abr 2022, 09h01

Após quase oito semanas de guerra na Ucrânia, mais de 5 milhões de pessoas fugiram do país, informou o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) nesta quarta-feira, 20. O número já ultrapassa em 1 milhão piores previsões do órgão.

Quando o volume de refugiados atingiu 4 milhões, em 30 de março, já marcou a maior crise de refugiados da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

+ ‘Batalha de Donbas’ é comparada a confrontos da II Guerra Mundial

Antes da guerra, a Ucrânia tinha 44 milhões de habitantes. Segundo o ACNUR, o conflito também deslocou mais de 7 milhões de pessoas dentro do próprio país. Acredita-se que 13 milhões de pessoas estejam presas nas áreas afetadas pela guerra na Ucrânia.

A maioria dos ucranianos – cerca de 2,8 milhões de pessoas – foram para a Polônia. Lá, eles têm direito a documentos de identificação nacional que permitem a obtenção de trabalho, assistência médica gratuita, acesso a escolas para crianças e auxílio monetário para famílias com filhos pequenos. Mais da metade dos refugiados da Ucrânia são crianças, segundo o ACNUR.

Continua após a publicidade

Mesmo assim, cerca de 738.000 pessoas voltaram da Polônia para a Ucrânia durante a guerra. Alguns vão e voltam para abastecer-se de suprimentos na Polônia, enquanto outros retornam à Ucrânia para encontrar-se com parentes e visitar suas casas. Dependendo do que encontram no retorno, optam por sair do país novamente.

A Hungria, conhecida por rejeitar veementemente refugiados de países africanos, também emergiu como um importante reduto para ucranianos. Dos mais de 465.000 que chegaram no país, cerca de 16.400 solicitaram status de proteção – o que significa que pretendem ficar por lá. Muitos são membros da minoria étnica húngara na Ucrânia.

O governo da Hungria diz que direcionou cerca de US$ 8,7 milhões para uma série de organizações sem fins lucrativos e está dando subsídios a empresas que empregam refugiados ucranianos. Em março, a ONG Migration Aid alugou um prédio inteiro em Budapeste para receber as pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia, ajudando cerca de 4.000 refugiados até agora.

A vizinha Romênia recebeu mais de 750.000 ucranianos. A Moldávia abriga quase 427.000 pessoas e a Eslováquia, quase 350.000. Muitos dos países europeus que acolheram refugiados dizem que precisarão de ajuda internacional para continuar com as políticas, especialmente agora que a Rússia intensificou os ataques na região leste de Donbas, na Ucrânia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)