Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

‘Batalha de Donbas’ é comparada a confrontos da II Guerra Mundial

Centro da disputa entre Rússia e Ucrânia, região está há oito anos em guerra e se prepara para embate ainda mais intenso entre as nações

Por Da Redação Atualizado em 19 abr 2022, 12h55 - Publicado em 19 abr 2022, 11h31

A região do Donbas, no leste da Ucrânia, será palco de uma batalha intensa entre as tropas da Rússia e o exército ucraniano. Centro das disputas entre os países comandados por Volodymyr Zelensky e Vladimir Putin, a região sofre os impactos da guerra há oito anos, desde que forças separatistas pró-Moscou começaram a ocupar as cidades de Donetsk e Luhansk.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e autoridades do governo do país disseram, na segunda-feira 18, que forças russas lançaram uma nova ofensiva na maior parte do leste da Ucrânia – e a “Batalha de Donbas” já começou.

“Agora podemos dizer que as forças russas iniciaram a batalha de Donbas, para a qual se prepararam há muito tempo”, disse Zelensky, em um discurso em vídeo.

Autoridades de ambos os países mencionaram o início de uma ‘nova fase’ do conflito, com um aumento da ofensiva dos dois lados.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em uma entrevista para a televisão indiana enfatizou que a nova etapa do que ele chama de “operação especial” será um momento muito importante.

Continua após a publicidade

Em entrevista à CNN, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, estimou que a “batalha de Donbas” terá impactos semelhantes aos confrontos da II Guerra Mundial.

Nas últimas semanas, a Rússia vem deslocando seus soldados do norte para o leste da Ucrânia. O Ministério da Defesa russo informou que o exército do país realizou 1.260 ataques na madrugada desta terça-feira, 19. O número é quatro vezes maior ao dos ataques registrados pelo governo russo na segunda-feira 18.

A intenção do exército russo é tomar o controle de Mariupol e da região de Donbas, local que tem sido a linha de frente do conflito entre Ucrânia e Rússia desde 2014, que já deixou cerca de 15.000 mortos.

Ocupadas por forças separatistas pró-Rússia, a região compreende as cidades de Donetsk e Luhansk, usadas como pretexto de Putin para invadir a Ucrânia. 

Enquanto a Rússia defende a independência das autoproclamadas República Popular de Donetsk e República Popular de Luhansk, o governo ucraniano afirma que forças separatistas são “invasoras” e “ocupantes”. Nesta medição de forças entre as nações vizinhas, nenhuma das duas parece disposta a ceder.

+ Rússia volta a atacar arredores de Kiev semanas após retirada da região

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, declarou em entrevista à CNN que não está disposto a abrir mão de território no Leste do país para acabar com a guerra com a Rússia. Isso porque não haveria nenhuma garantia de que Vladimir Putin não tentaria novamente tomar a capital ucraniana, Kiev, se capturar Donbas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)