Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Maduro usou médicos cubanos para forçar pacientes a votar nele

Denúncia foi feita por profissionais que trabalharam no país e revelada pelo jornal The New York Times; atendimento era acompanhado de ameaças

Por Da Redação - 17 mar 2019, 19h38

O governo do ditador Nicolás Maduro, da Venezuela, condicionou o atendimento médico a pacientes, alguns dos quais em estado grave, à votação nele às vésperas das eleições de maio de 2018. A denúncia foi feita por dezesseis médicos cubanos que trabalharam no país e divulgada pelo jornal americano The New York Times.

Segundo esses médicos, o uso político do atendimento médico ia de recomendações que eles davam para que os pacientes votassem em Maduro até a ameaça direta de que poderiam ficar sem tratamento, alguns dos quais para doenças crônicas, que necessitam de acompanhamento regular.

Os médicos cubanos foram enviados à Venezuela em missão oficial dada a relação de alinhamento político entre os regimes dos dois países. Muitos deles, porém, pediram asilo político nos últimos meses.

A ameaça de excluir beneficiários de programas sociais ou da distribuição de alimentos caso não votem no seu candidato é uma tática conhecida de governos em países pobres e em desenvolvimento. Mas, segundo analistas, a denúncia dos médicos cubanos causa choque por envolver a saúde e até a vida humana.

Publicidade

Maduro acabou eleito para mais um mandato de seis anos em maio de 2018, mas o pleito foi marcado por denúncias de fraudes, elevada abstenção e boicote ou ausência dos principais nomes da oposição.

(Com agências internacionais)

Publicidade