Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Macri diz que organismos internacionais apoiam seu programa econômico

Presidente argentino encontrou com a diretora do FMI, Christine Lagarde, pela primeira vez após empréstimo de US$ 50 bilhões na quinta-feira

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, afirmou que recebeu o “apoio” das principais organizações econômicas mundiais ao seu programa econômico durante a Cúpula do Grupo dos Sete (G7), que terminou neste sábado no Canadá.

Macri aproveitou sua presença na cúpula, convidado pelo Canadá por ser o atual presidente rotativo do Grupo dos Vinte (G20), para se reunir com os máximos responsáveis de Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial (BM) e OCDE assim como com vários dos líderes do G7.

A Secretaria de Comunicação da Presidência argentina afirmou em comunicado que nestas reuniões, Macri “recebeu firme apoio às reformas estruturais que está promovendo na Argentina”.

Macri se reuniu na cidade canadense da Malbaie, onde aconteceu a Cúpula do G7, com a chanceler alemã, Angela Merkel, a primeira-ministra britânica, Theresa May, assim como com o presidente da França, Emmanuel Macron, e os primeiros-ministros da Itália, Giuseppe Conte, e do Vietnã, Nguyen Xuan Phuac.

Na reunião com May, os dois países asseguraram que “a relação bilateral está funcionando bem e falaram da necessidade de fazer um esforço para a Cúpula do G20 de Buenos Aires para avançar em uma possível agenda de temas de comércio”.

Com Merkel, Macri conversou sobre “possíveis investimentos alemães nos projetos de Participação Público-Privada impulsionados pelo Governo argentino e em ferrovias”. O presidente argentino e a primeira-ministra germânica também discutiram a crise política da Venezuela.

Agenda

Malbaie foi o local no qual o presidente argentino teve seu primeiro encontro com a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, depois que a organização concedeu, na quinta-feira, um crédito de 50 bilhões de dólares ao país latino-americano.

Além de Lagarde, Macri teve reuniões com o secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría, e com a conselheira-delegada do Banco Mundial (BM), Kristalina Georgieva. O último compromisso do argentino no Canadá será uma reunião com o primeiro-ministro do país, Justin Trudeau.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ari - ABV Abevê

    Todo negócio tem haver regras claras, assim evitamos brigas judiciais q levam tempo e trás desconfiança p todos inseridos, portanto , as multas podem até não ser consenso quanto quanto aos percentuais, q poderiam ser mais altos ou mais baixos, mas temos um regra.
    Q este exemplo seja um começo de muitos q deveria existir em todos negócios existentes no Brasil 🇧🇷, todos ganham.

    Curtir

  2. Osmar Serrragem

    O que estraga a Argentina são os corrupto-sindicalistas K., entranhados até os ossos em uma riquíssima Nação. Pobre Argentina…

    Curtir