Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Líbano ordena prisão domiciliar de autoridades do porto de Beirute

Suspeita é que a negligência com cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amônio armazenado por seis anos tenha levado à enorme explosão desta terça

Por Julia Braun Atualizado em 5 ago 2020, 14h15 - Publicado em 5 ago 2020, 14h04

O governo do Líbano determinou nesta quarta-feira, 5, que as autoridades do porto de Beirute responsáveis pelas operações de armazenamento e segurança sejam colocados em prisão domiciliar. A suspeita é de que a negligência dessas autoridades tenha contribuído para a enorme explosão ocorrida na capital libanesa na terça-feira 4 e que matou ao menos 135 e feriu mais de 5.000 pessoas.

Não foi informado quantas pessoas serão alvo do pedido de prisão. O número de vítimas deve aumentar nas próximas horas, pois são feitas buscas em meio aos escombros e há suspeitas de que corpos foram lançados ao mar.

ASSINE VEJA

Os 10 fazendeiros que mais desmatam a Amazônia Leia em VEJA: Levantamento exclusivo revela os campeões da destruição. Mais: as mudanças do cotidiano na vida pós-pandemia
Clique e Assine

Nas primeiras horas desta quarta, o primeiro-ministro Hassan Diab disse que cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amônio, um material altamente explosivo, estavam estocadas em um armazém portuário pelos últimos seis anos “sem medidas preventivas”. O governo agora afirma que um curto-circuito causou incêndio e explosão em um depósito de fogos de artifício e posteriormente no armazém onde estava o produto químico.

A explosão provocou ondas de choque que estilhaçaram janelas, danificaram edifícios e fizeram estremecer o chão de toda a capital libanesa. Edifícios localizados até 10 quilômetros de distância foram danificadas e o choque foi sentido no Chipre, a cerca de 240 quilômetros de distância, e registrado como um terremoto de magnitude 3,3.

A carga

A explosão de 2.750 toneladas de nitrato de amônio, usado em bombas e fertilizantes, armazenadas em um hangar no porto de Beirute, levou os libaneses a se perguntar o que uma carga altamente inflamável fazia ali. Segundo a emissora árabe Al Jazeera, membros do governo libanês sabiam há mais de seis anos que a substância estava armazenada no porto de Beirute e estavam cientes dos perigos que isso representava.

A carga de nitrato de amônio chegou ao Líbano em setembro de 2013, a bordo de um navio de propriedade russa com uma bandeira da Moldávia. O barco estava indo da Geórgia para Moçambique, afirma a reportagem da Al Jazeera.

  • Segundo uma reportagem de 2014 do jornal Ukrainian Sailor, o navio enfrentou problemas técnicos no caminho e foi forçado a atracar em Beirute, mas as autoridades libanesas impediram os tripulantes de desembarcar. Os funcionários ficaram presos no barco por meses, vivendo em péssimas condições e com pouca comida, já que a companhia responsável pelo carregamento não podia pagar pelos reparos.

    Por fim, a empresa negociou a libertação do navio com as autoridades libanesas. O governo local também concedeu permissão para que a carga fosse armazenada temporariamente no porto, mas os produtos nunca saíram de lá. Ao longo dos últimos anos, chefes da alfândega libanesa enviaram ao menos seis cartas à Justiça e a outras autoridades pedindo que fosse dado um destino ao material, mas não obtiveram respostas.

    O presidente Michel Aoun disse estar determinado a investigar e revelar o que aconteceu o mais rápido possível, assim como responsabilizar os culpados.

    Continua após a publicidade
    Publicidade