Clique e assine a partir de 8,90/mês

Metade da cidade de Beirute foi danificada por explosão; veja fotos

Custos do dano podem variar entre 15 e 26 bilhões de reais; por volta de 300.000 pessoas estão sem abrigo

Por Julia Braun - Atualizado em 5 ago 2020, 11h13 - Publicado em 5 ago 2020, 11h12

O governador de Beirute, Marwan Abboud, afirmou nesta quarta-feira, 5, que a destruição causada pela explosão no porto da cidade se estendeu por pelo menos metade da capital libanesa. Segundo ele, os custos do dano podem variar entre 3 e 5 bilhões de dólares (15 e 26 bilhões de reais).

Em entrevista a jornalistas, Abboud afirmou que em toda a sua vida não viu uma destruição como essa tragédia, que por enquanto deixou pelo menos 100 mortos e mais de 4.000 feridos. O governador ainda comparou a destruição da cidade com o Japão após as bombas de Hiroshima e Nagazaki, jogadas pelos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial.

Abboud estimou que por volta de 300.000 pessoas tenham tido suas casas destruídas ou parcialmente danificadas e tiveram que procurar abrigo em outros locais. O número é próximo da população total da área central da capital. Mais de 100 pessoas ainda estão desaparecidas.

A deflagração provocou uma enorme onda de choque que afetou milhares de casas e edifícios, destruindo vidro e paredes, levando grande parte da população daquela área da cidade a procurar abrigo em outro lugar.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou em uma reunião com o presidente da República, Michel Aoun, que um carregamento desprotegido de nitrato de amônio de 2.750 toneladas foi a causa da tragédia, embora os motivos que levaram à explosão do fertilizante sejam desconhecidas.

Hoje é o primeiro dia de luto nacional decretado no país, em estado de emergência por duas semanas. O Conselho Supremo de Defesa libanês declarou ontem Beirute como uma “zona catastrófica”.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade