Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Japão reitera apoio a Guaidó e diz que deixará de cooperar com Maduro

Posição do país asiático havia sido colocada em dúvida pelo embaixador venezuelano, que dizia ainda haver relações japonesas com Maduro

Por EFE 22 fev 2019, 06h35

O governo do Japão afirmou, nesta sexta-feira 22, que, ao manifestar seu “apoio” ao autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, considera que não vai continuar cooperando com o governo de Nicolás Maduro.

A declaração foi feita pelo ministro das Relações Exteriores do Japão, Taro Kono, durante entrevista coletiva, ao ser perguntado sobre os novos parâmetros da relação entre o país asiático e a Venezuela.

Na última terça, Kono anunciou a decisão do governo japonês de expressar o seu “claro apoio ao presidente interino Guaidó”, insistindo na necessidade de eleições livres e justas na Venezuela “o mais breve possível”.

No entanto, no dia seguinte, o embaixador da Venezuela em Tóquio, Seiko Ishikawa, afirmou que, segundo o que lhe disseram altos funcionários japoneses, isso não significava um reconhecimento de Guaidó como presidente.

Continua após a publicidade

Na entrevista coletiva de hoje, Kono voltou a apontar Guaidó como “presidente interino” e insistiu que o Japão já havia expressado seu apoio.

“Na medida em que o Japão já manifestou seu apoio ao presidente interino Guaidó, ele não mais cooperará com o presidente Maduro”, afirmou o ministro japonês.

No entanto, consultado sobre se ao apoiar Guaidó existe a intenção do Japão de retirar as credenciais de Ishikawa como representante do governo de Maduro, Kono descartou essa possibilidade.

“Eu o conheço muito bem (embaixador Ishikawa). Ele tem ajudado a promover as relações bilaterais, de modo que não tenho a intenção de retirar suas credenciais ou qualquer outra coisa”, expressou Kono.

Porém, o chanceler disse que Ishikawa pode ter compreendido mal a situação, sem especificar em que sentido, embora aparentemente se referindo as declarações do diplomata venezuelano sobre a suposta vontade de Tóquio de seguir trabalhando com o governo de Maduro.

Continua após a publicidade

Publicidade