Clique e assine a partir de 9,90/mês

Itália condena urso à morte e ativistas pedem fim da pena para animais

Urso atacou dois homens que faziam trilha ao norte do país na semana passada; Itália tem tolerância zero com agressões de animais contra humanos

Por Da Redação - Atualizado em 29 jun 2020, 15h55 - Publicado em 29 jun 2020, 15h50

Ativistas de direitos dos animais na Itália estão furiosos após um urso ser condenado à morte, porque atacou dois homens em uma trilha na semana passada. Um abaixo-assinado do Fundo Mundial para a Natureza, com cerca de 15.000 apoiadores até esta segunda-feira, 29, pede a revogação da sentença emitida pelo governador da região de Trentino, Maurizio Fugatti, e a proibição da pena de morte para animais.

Os grupos de direitos dos animais Animalisti Italiani e o Fundo Mundial para a Natureza pediram uma investigação completa acerca do ataque antes que a ordem executiva seja cumprida. Segundo a emissora CNN, os italianos Fabio Misseroni, 59, e seu filho Christian, 28, dizem que estavam fazendo uma trilha na última segunda-feira quando o urso apareceu, mordeu a perna do filho e quebrou a do pai, antes que o animal fugisse para a floresta.

Os ativistas pedem que seja averiguado se o pai ou o filho fizeram algo para provocar o urso – nada mais justo que um julgamento, dizem.

O ministro do Meio Ambiente italiano também escreveu uma carta ao governador de Trentino, dizendo que ele é contra o abate do urso, já que pode ser uma fêmea protegendo filhotes. “Somente depois de coletar certas informações científicas sobre o animal envolvido no acidente com os dois cidadãos, poderemos avaliar soluções técnicas que, na minha opinião, não devem resultar na morte do animal”, escreveu Sergio Costa.

Continua após a publicidade

Segundo as regras do Instituto Nacional de Proteção Ambiental e Pesquisa da Itália, ursos que atacam seres humanos devem ser sacrificados. Autoridades estão buscando o animal por meio do DNA extraído da saliva nas feridas do pai e do filho.

Em agosto de 2017, uma tentativa semelhante de impedir a morte de um urso na área falhou. Para ambientalistas, ursos só atacam quando se sentem ameaçados. Contudo, o animal no caso de 2017, conhecido como KJ2, já havia avançado contra humanos duas vezes.

Segundo o jornal americano The New York Times, o comportamento agressivo dos ursos pode colocar em risco a aceitação dos animais pela população local, mas grupos de direitos dos animais dizem que é essencial entender as circunstâncias de qualquer ataque.

O diretor científico do Fundo Mundial para a Natureza Itália, Marco Galaverni, disse ao Times que o governo adota uma postura dura em relação aos ataques de ursos para mostrar aos cidadãos que consegue gerenciar os incidentes. Só que, com essa lógica, ursos estão sendo punidos por coisas como chegar muito perto dos subúrbios da cidade.

A região tem sido palco para de ataques de ursos nos últimos anos. Por isso, autoridades têm um banco de dados de DNA e câmeras de segurança que são usadas para combinar o material genético com os animais. Há cerca de 90 ursos na área, resultado de uma estratégia de repovoamento em Trentino, que chegou a ter apenas quatro ursos.

Continua após a publicidade
Publicidade