Clique e assine com 88% de desconto

Guia de turismo salvou 20 alemães de atentado na Turquia

Por Da Redação - 15 jan 2016, 06h52

“Lauf Weg!” (corram, rápido!), gritou a guia de turismo Sibel Satiroglu para um grupo de mais de vinte pessoas que visitava o milenar Obelisco de Teodósio, na manhã da última terça-feira, em Istambul. O alerta da profissional para que os turistas deixassem imediatamente o local conseguiu salvar o grupo do atentado cometido pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Se a guia não tivesse dado o alerta, a bomba detonada pelo árabe de origem síria Nabil Fadli, de 28 anos, poderia ter causado uma tragédia ainda maior e elevado o número de turistas alemães mortos. “Eu ouvi um ligeiro ‘click’ enquanto estava falando para o grupo. Logo percebi que não era um barulho normal e olhei em volta. Vi um jovem com cavanhaque, que parecia um turco, que puxava uma corda”, relatou a Satiroglu.

Leia também

Turquia prende 3 russos e outras 62 pessoas após atentado em Istambul

Publicidade

Atentado do EI em bairro turístico de Istambul deixa dez mortos

Bombardeio destrói depósito de dinheiro do Estado Islâmico em Mossul

“Naquele momento, entendi que estava para acontecer algo terrível e gritei. Comecei a correr. A bomba explodiu imediatamente”, disse a guia de turismo, que se feriu na perna e perdeu a audição em um dos ouvidos. Depois de passar 48 horas internada no hospital, Sibel quis participar de uma homenagem às vítimas. O relato da guia, que é conhecida em Istambul, permitiu que as autoridades reconstituíssem os detalhes do atentado.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, anunciou que “dezenas” de pessoas já foram presas sob suspeita de ligação com o ataque. Além dos dez alemães mortos, outras quinze pessoas ficaram feridas. Em resposta, o governo da Turquia intensificou os bombardeios contra alvos do Estado Islâmico na Síria e no Iraque, matando mais de vinte jihadistas nas últimas 48 horas.

Publicidade

(Com ANSA)

Publicidade