Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo do Afeganistão anuncia cessar-fogo temporário com talibãs

O presidente Ashraf Ghani, que já chegou a propor um acordo de paz ao grupo, afirmou que a trégua é uma oportunidade de reflexão

Por Da Redação 7 jun 2018, 09h45

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, anunciou nesta quinta-feira (7) um cessar-fogo temporário ofertado aos talibãs, depois que na última segunda (4), cerca de 2.000 líderes religiosos afegãos pediram ao grupo insurgente que abandonasse a guerra “ilegítima” e aceitasse a oferta de paz do governo.

O cessar-fogo, no entanto, só se aplica aos talibãs. “As forças de defesa e segurança afegãs só param as operações ofensivas contra os talibãs armados e continuarão atacando o Estado Islâmico e outras organizações terroristas com apoio estrangeiro e seus cúmplices”, afirmou Ghani, em mensagem pelo Twitter, após um discurso televisionado.

O presidente afirmou que o cessar-fogo começará na próxima terça-feira (12) e será encerrado no quinto dia do Eid al-Fitr, festividade muçulmana que marca o fim do mês sagrado do Ramadã, que será realizada no dia 19 ou 20, dependendo da posição da lua.

“Este cessar-fogo é uma oportunidade para que os talibãs reflitam sobre sua violenta campanha, que não está conquistando os corações e mentes dos afegãos, mas está alienando-os de sua causa”, disse Ghani.

O presidente apresentou a trégua unilateral como a “personificação” do desejo dos afegãos de encontrar uma resolução pacífica para o conflito armado no país.

Continua após a publicidade

Em fevereiro, o presidente apresentou uma ambiciosa oferta de paz ao grupo, que incluía seu reconhecimento como partido político ou a libertação de presos. Este novo anúncio de Ghani chega após um decreto religioso ou fátua em que clérigos islâmicos pediam aos talibãs que encerrassem o conflito.

No decreto, classificado hoje como “histórico” por Ghani, cerca de 2.000 líderes religiosos asseguram que a guerra no Afeganistão é “ilegítima e não tem nenhum tipo de justificativa religiosa”.

O talibã ainda não respondeu à proposta de Ghani.

O ex-general do exército afegão Atiqullah Amarkhel disse que o cessar-fogo daria ao talibã a chance de se reagrupar. “De uma perspectiva militar, não é uma boa jogada”, afirmou à Reuters.

Ele também disse duvidar que o grupo deponha as armas e negue a si mesmo a oportunidade de lutar durante o mês sagrado do Ramadã, no qual os ataques se intensificam.

O Afeganistão permanece em uma situação estagnada de conflito após o final da missão militar da Otan no país, que inicialmente facilitou um avanço militar dos talibãs. O Estado controla cerca de 56% do território, enquanto os talibãs controlam em torno de 11% segundo fontes americanas.

(Com EFE e Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)