Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Fumaça de incêndios no Canadá chega aos EUA e causa alertas de saúde

Em solo canadense, cerca de 3,3 milhões de hectares já queimaram e mais de 120 mil pessoas foram, pelo menos temporariamente, forçadas a deixar suas casas.

Por Da Redação 7 jun 2023, 12h31

Autoridades de 13 estados americanos alertaram moradores sobre riscos à saúde provocados pela queda na qualidade do ar resultante da chegada da fumaça de incêndios no leste do Canadá. A fumaça deve chegar ao estado da Carolina do Norte nesta quarta-feira,7.

A fumaça espessa bloqueou o céu e o alerta manda as pessoas ficarem dentro de casa para evitar respirar o ar poluído. As nuvens negras já envolveram os céus da maior parte da costa nordeste, provocando sérios alertas de qualidade do ar para milhões de americanos.

O Departamento de Conservação Ambiental do estado de Nova York emitiu um alerta de saúde e recomendou que os residentes considerem limitar a atividade física ao ar livre para reduzir o risco de efeitos adversos. Nas redes sociais, moradores publicaram vídeos da fumaça que cobriu a cidade.

+ Incêndios florestais se alastram pelo Canadá e forçam retiradas em Quebec

Na capital canadense, Ottawa, a neblina cobriu toda a cidade na manhã de terça-feira, com qualidade do ar na categoria 10+, indicando “risco muito alto”. O índice 10+ representa o pior nível no Índice de Qualidade do Ar e Saúde do Meio Ambiente do Canadá.

Cerca de 3,3 milhões de hectares já queimaram e mais de 120 mil pessoas foram, pelo menos temporariamente, forçadas a deixar suas casas. O valor de terreno afetado pelas chamas já é 13 vezes maior que a média de 10 anos no país.

“A fumaça dos incêndios florestais locais, bem como os incêndios florestais em Quebec, resultaram na deterioração da qualidade do ar”, segundo a secretaria de Meio Ambiente.

De acordo com a a agência meteorológica do governo, em Toronto, o ar poluído e as condições também podem persistir durante a maior parte desta semana. O governo afirmou que a fumaça de incêndio florestal pode prejudicar a saúde mesmo em baixas concentrações, e pessoas com doenças pulmonares ou cardíacas, bem como idosos, crianças e mulheres grávidas correm maior risco.

Continua após a publicidade

O início precoce e intenso da temporada de incêndios florestais colocou o Canadá no caminho para o pior ano de sua história, já que as condições de calor e seca devem persistir por meses. Atualmente, há incêndios em quase todas as 10 províncias e territórios do Canadá, com Quebec sendo o mais afetado devido às chamas causadas por raios.

+ Cidade no Canadá declara estado de emergência por incêndio florestal

Incêndios florestais são comuns nas províncias do oeste do Canadá, mas este ano as chamas cresceram rapidamente no leste do país, forçando retiradas de moradores de suas casas. A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Melanie Joly, agradeceu na última terça-feira aos Estados Unidos, México, África do Sul e França por enviarem bombeiros para ajudar no combate às chamas.

“Quero destacar que as pessoas precisam continuar a ouvir as autoridades locais sobre como se manter seguras, inclusive em lugares como Ottawa, afetados pela fumaça dos incêndios florestais”, disse Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.