Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fake news gerada por IA é maior ameaça global a curto prazo, diz Davos

Relatório é divulgado dias antes do encontro anual de especialistas e líderes mundiais, previsto para 15 a 19 de janeiro, na comuna suíça

Por Da Redação
Atualizado em 7 Maio 2024, 16h29 - Publicado em 10 jan 2024, 16h00

Um relatório do Fórum Econômico Mundial indicou nesta quarta-feira, 10, que a desinformação alimentada por Inteligências Artificiais configura a maior ameaça às democracias e economias de todo o mundo no futuro próximo. A longo prazo, problemas ambientais representariam o mais grave risco. O documento foi divulgado dias antes do encontro anual de especialistas e líderes mundiais, previsto para 15 a 19 de janeiro, em Davos.

O levantamento aponta que a informação de má qualidade e a desinformação serão fonte de dor de cabeça nos próximos dois anos. Embora positivo em diferentes setores, o desenvolvimento tecnológico seria responsável por criar novos perigos, além de agravar os antigos, adverte o texto. Os autores do relatório, portanto, enxergam com preocupação o surgimento de ferramentas generativas, como o ChatGPT, que são capazes de produzir conteúdos sofisticados para manipulação.

Acredita-se que o assunto será central nos debates do evento em Davos, que contará com a presença do CEO da OpenAI (dona do ChatGPT), Sam Altman; o CEO da Microsoft, Satya Nadella; e participantes da indústria de Inteligência Artificial, incluindo o cientista-chefe de IA da Meta, Yann LeCun. Ao todo, a comuna suíça receberá cerca de 1.500 pessoas do setor. 

+ New York Times processa dona do ChatGPT por violação de direitos autorais

Continua após a publicidade

Ano de eleições

A apreensão com os limites da IA cresce no ano em que milhares de eleitores, incluindo de países como Estados Unidos, Reino Unido, Indonésia, Índia, México e Paquistão, se dirigem às urnas para escolherem seus líderes. Em junho, as nações da União Europeia (UE) também elegerão deputados para o Parlamento Europeu, assembleia que caminha em direção à regulamentação da IA.

A inteligência artificial pode ser usada para fazer deepfakes – vídeos que imitam com alta precisão um indivíduo, e podem retratá-lo fazendo, ou dizendo, virtualmente qualquer coisa –, um tipo mais sofisticado de desinformação. Isso pode gerar ainda mais polarização, porque deve haver embates para checar a veracidade de informações bombardeadas por meio das redes sociais.

Além disso, os softwares inteligentes podem facilitar ataques cibernéticos, a partir da automatização de tentativas de phising (quando a identidade ou dados dos usuários são roubados) e da criação de malwares avançados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.