Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ex-ministros de Chávez apoiam referendo contra Maduro

Um general reformado que era muito próximo de Hugo Chávez acusou Maduro de ter abandonado o legado de seu antecessor

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 22h24 - Publicado em 18 jul 2016, 17h19

Três ex-ministros do falecido líder Hugo Chávez e um general reformado expressaram nesta segunda-feira apoio ao referendo revogatório contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, como uma forma de evitar uma saída violenta para a crise.

O general reformado Cliver Alcalá e os ministros pediram para que o governo não bloqueie a consulta popular impulsionada pela oposição, embora tenham insistido não ter “nada a ver” com o referendo.

“É urgente, para evitar resultados graves, que o Estado garanta” a realização o referendo, indica um comunicado entregue ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

A carta é assinada pelos ex-ministros Héctor Navarro (Educação), Gustavo Márquez (Comércio) e Ana Elisa Osorio (Meio Ambiente), bem como Alcalá, líderes da esquerda e acadêmicos críticos a Maduro. Ao todo, uma dúzia de pessoas que compõem a recém-criada plataforma para a Defesa da Constituição.

LEIA MAIS:
Venezuela ordena ocupação de fábrica de papel higiênico
Milhares de venezuelanos atravessam fronteira com a Colômbia para comprar comida
Chavistas ameaçam pedir dissolução do Parlamento da Venezuela

Alcalá era muito próximo de Chávez, a quem acompanhou em sua fracassada tentativa de golpe de 1992 contra o governo de Carlos Andrés Pérez (1989-1993). “Nós nos auto-qualificamos como defensores da Constituição”, disse ele em uma coletiva de imprensa, em que acusou publicamente Maduro de ter abandonado o legado de Chávez (1999-2013).

Por sua vez, Gustavo Márquez negou que os chavistas favoráveis ao direito ao referendo sejam traidores. “Onde está a traição, do lado de quem defende a Constituição ou de quem quer violá-la?”, questionou.

O CNE, que a oposição acusa de trabalhar para o governo, deve anunciar em 26 de julho se a oposição conseguiu validar as 200.000 assinaturas necessárias para ativar a consulta popular.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.