Clique e assine a partir de 9,90/mês

Venezuela ordena ocupação de fábrica de papel higiênico

Sob aplausos dos funcionários, ministro do Trabalho venezuelano, Oswaldo Vera, assinou documento de ocupação das dependências de empresa americana Kimberly-Clark

Por Da Redação - 11 jul 2016, 21h41

O governo venezuelano ordenou nesta segunda-feira a ocupação da empresa americana Kimberly-Clark, que encerrou sua produção de artigos de higiene pessoal alegando uma piora das condições econômicas.

“Vamos assinar a solicitação que nos foi feita pelos trabalhadores, onde apresentaremos (…) a ocupação imediata da entidade de trabalho Kimberly-Clark da Venezuela (…) por parte dos trabalhadores”, disse o ministro do Trabalho, Oswaldo Vera, no prédio da companhia na cidade de Maracay, que produz especialmente papel higiênico.

Leia mais:

Milhares de venezuelanos atravessam fronteira com a Colômbia para comprar comida

Uruguai contraria membros do Mercosul e confirma que passará presidência do bloco à Venezuela

Ao assinar o documento, em meio a aplausos dos funcionários, Vera ordenou ligar as máquinas. “A partir de hoje, a Kimberly-Clark volta a abrir suas portas, sua produção”, afirmou o funcionário, que reiterou a advertência do presidente Nicolás Maduro de intervir nas companhias que paralisarem suas atividades.

“Bem-vindos ao setor empresarial que quer acompanhar o governo, mas empresa que é fechada, é empresa que será ocupada e aberta pelos trabalhadores e pelo governo revolucionário”, sustentou.

No último sábado, a Kimberly-Clark anunciou a paralisação das suas operações falando sobre uma “carência de divisas” para adquirir matéria-prima e “o rápido aumento da inflação”. Segundo um comunicado da multinacional, esse fatores tornam “impossível operar” no país.

Continua após a publicidade

A fabricante de papel higiênico e fraldas, entre outros produtos, declarou que “se as condições mudarem” avaliará no futuro “a viabilidade” de retomar as atividades.

A Kimberly-Clark destacou que a partir de agora “o governo venezuelano será o responsável pelo bem-estar dos trabalhadores e pelos ativos físicos, equipamentos e máquinas” da unidade ocupada.

Leia também:

Em meio a conflito por aumento de tarifas na Argentina, Macri pede consumo menor de energia

Há dois meses, Maduro advertiu que “fábrica parada será fábrica tomada pelos trabalhadores”. A lei venezuelana autoriza a ocupação de fábrica no caso de “fechamento ilegal ou fraudulento” de uma empresa ou de lockout.

Vigora na Venezuela desde 2003 um férreo controle sobre o câmbio, com o governo monopolizando a distribuição de divisas, cada vez mais escassas diante da queda dos preços do petróleo, que gera 96% das receitas do país.

De acordo com a Fedecámaras, principal associação empresarial venezuelana, mais de 85% da indústria estava paralisada em maio passado por falta de matéria-prima.

O governo também fixa o preço de muitos alimentos e produtos básicos, o que segundo os empresários inviabiliza os custos de produção.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade