Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA: ‘Rússia parece ser a culpada’ por vazamentos em gasodutos

Secretária de Energia do país diz ainda que a Rússia 'não parece ser uma parceira de energia confiável'

Por Matheus Deccache
30 set 2022, 15h10

A secretária de Energia dos Estados Unidos, Jennifer Granholm, disse nesta sexta-feira, 30, que a Rússia “parece” ser a culpada pelos vazamentos que atingiram os gasodutos Nord Stream 1 e Nord Stream 2 nesta semana. 

Em entrevista à rede BBC, Granholm disse que o país está realizando uma investigação sobre aquilo que chamou de “um ato de sabotagem”, acrescentando que é altamente improvável que incidentes desta natureza sejam coincidência. Até o momento, ainda não há evidências suficientes que indiquem que os vazamentos foram fruto de sabotagem.

+ Vazamento misterioso atinge principal linha de gás da Rússia para a Europa

Nesta semana, a Rússia rejeitou as acusações de que poderia ser culpada e disse que as alegações de que havia danificado os gasodutos eram “estúpidas e absurdas”. O país, juntamente com parceiros europeus, gastaram bilhões de dólares para construí-los. 

O Kremlin, no entanto, também acredita que os danos foram causados de maneira proposital. Em telefonema com o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, Vladimir Putin descreveu o incidente como uma “sabotagem sem precedentes e um ato de terrorismo internacional” e disse que levará o assunto de maneira urgente para o Conselho de Segurança da ONU. 

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, havia insinuado que os Estados Unidos poderiam estar por trás dos vazamentos, uma vez que o não funcionamento dos gasodutos aumenta a venda do gás natural americano. Em resposta, a Casa Branca rejeitou as acusações.

Continua após a publicidade

Especialistas divergem a respeito do assunto. Enquanto uns afirmam que é bastante improvável que tenha ocorrido um acidente, como o lançamento de uma âncora que atravessou o gasoduto, por exemplo, outros dizem que a alta pressão do fundo do mar dificulta a detonação de explosivos. 

+ Kremlin nega ataque a duto Nord Stream: ‘Acusação previsível e estúpida’

Por parte da Rússia, a possibilidade de um ato proposital se torna ainda mais improvável quando grande parte da guerra na Ucrânia é financiada pelo dinheiro oriundo do transporte de gás. 

No momento do incidente, o produto não estava sendo transportado, motivo que, para Granholm, prova que a Rússia não pode ser considerada uma “parceira de energia confiável”. 

“Nenhum país quer correr o risco de colocar uma quantidade significativa de sua demanda de energia para o abastecimento da Rússia. Acho que isso acelera o esforço da União Europeia para se tornar independente de energia por meio de energia limpa”, disse ela.

Continua após a publicidade

A questão energética tem tido um impacto profundo no aumento dos preços globais de energia, sendo os principais responsáveis pelo aumento da inflação no Reino Unido, UE, e Estados Unidos. 

Para a secretária, essa dificuldade na obtenção do gás tem feito com que os países reavaliassem de onde obtém sua fonte energética, procurando maneiras de se tornarem independentes no setor. 

+ Otan terá ‘resposta determinada’ após ‘sabotagem’ em gasodutos Nord Stream

Desse modo, aliado à possibilidade de cumprir as metas firmadas no Acordo de Paris, a energia eólica, nuclear e solar devem começar a receber maiores investimentos das grandes nações. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.