Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estado Islâmico reivindica atentado no Parlamento em Londres

O grupo jihadista afirmou em comunicado que Khalid Masood era um "soldado do EI"

Por Da redação - Atualizado em 23 mar 2017, 14h04 - Publicado em 23 mar 2017, 10h02

O grupo terrorista Estado Islâmico assumiu responsabilidade pelo ataque nos arredores do Parlamento inglês, em Londres, em que quatro pessoas morreram, informou a agência de propaganda dos jihadistas,  Amaq, nesta quinta-feira.

“O perpetrador dos ataques ontem em frente ao Parlamento inglês em Londres é um soldado do Estado Islâmico e realizou a operação em resposta aos pedidos para  atacar cidadãos da coalizão”, disse a Amaq, em comunicado.

O texto da nota divulgada pelo EI, porém, não menciona envolvimento direto das lideranças do grupo com a organização do atentato. Mais cedo nesta quinta-feira, a premiê Theresa May informou a parlamentares que a polícia acredita que o agressor Khalid Masood, 52 anos, morto pela polícia durante o ataque, foi “inspirado por ideologia islamista”.

O Estado Islâmico, que controla partes do Iraque e da Síria, perdeu território nesses países recentemente para forças locais, que contam com o apoio de uma coalizão militar liderada pelos Estados Unidos. Desde então, o grupo terrorista tem reforçado seu trabalho de propaganda para incentivar que apoiadores conduzam ataques solitários no ocidente.

O atentado no início da tarde de quarta-feira deixou quatro mortos, entre eles Masood, e cerca de quarenta feridos. O agressor avançou com uma caminhonete contra pedestres na Ponte de Westminster e desceu do veículo armado com duas facas, em direção ao Parlamento. Ele esfaqueou um policial, Keith Palmer, de 48 anos, e foi baleado pelas forças de segurança.

(Com Reuters)

Publicidade