Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Espanha afirma que limitará atividades políticas de Leopoldo López

Chanceler afirmou que embaixada onde oposicionista está refugiado não pode se transformar em “centro de ativismo político"

Por Da Redação Atualizado em 3 Maio 2019, 15h54 - Publicado em 3 Maio 2019, 09h54

O ministro das Relações Exteriores interino da Espanha, Josep Borrell, disse nesta sexta-feira, 3, que o governo limitará as atividades políticas do líder oposicionista venezuelano Leopoldo López, que se encontra na residência do embaixador espanhol na Venezuela.

“A Espanha não vai permitir que sua embaixada se transforme em um centro de ativismo político”, disse Borrell a jornalistas no Líbano, onde faz uma visita oficial.

O chanceler lembrou que López teve encontros na quinta-feira 2 com a imprensa na embaixada e reiterou que “a partir de agora, isto será regulado”.

O ministro especificou que, no direito internacional, a figura de “hóspede” na embaixada implica uma limitação em sua atividade política.

“Temos confiança de que, nestas condições, a Venezuela vai respeitar naturalmente a imunidade do território da embaixada da Espanha”, acrescentou Borrell.

  • O ministro reiterou que a Espanha “não entregará” López às autoridades venezuelanas, apesar de o Tribunal Supremo da Venezuela ter emitido ontem uma ordem de detenção contra o político.

    Além disso, Borrell lembrou que López não pode solicitar asilo político porque a legislação espanhola só permite que isto seja feito dentro do território espanhol.

    O ministro também revelou que falou sobre a situação de López com o governo de Nicolás Maduro, com o qual mantém uma “relação cortês”, apesar de a Espanha ter reconhecido o opositor Juan Guaidó como presidente interino.

    Continua após a publicidade

    O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela emitiu nesta quinta-feira uma ordem de detenção contra López, que cumpria desde 2014 uma condenação de 14 anos de prisão em Caracas, que foi convertida para prisão domiciliar em 2017.

    López foi libertado na terça-feira 30 por um grupo de militares com um “indulto presidencial” do presidente do parlamento Juan Guaidó, que é reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países.

    Guaidó pediu na terça-feira às forças armadas da Venezuela que se voltassem contra Nicolás Maduro, mas apenas um pequeno grupo de militares participou da rebelião.

    ‘Maduro não pode confiar nem em quem serve seu café’

    Em uma entrevista à agência EFE na quinta-feira, Leopoldo López afirmou que a intervenção militar na Venezuela é uma opção que ainda está presente entre a oposição, por se tratar de uma alternativa legal que contempla a Constituição.

    “Espero que não tenhamos que chegar a esse ponto, mas não descartamos, pois é constitucional, porque a liberdade é a condição para tudo”, afirmou.

    O oposicionista disse ainda que já “aconteceram várias conversas” com membros destacados do chavismo, cujos nomes não revelou, sobre um possível apoio ao levante liderado por Guaidó. Segundo López, Maduro está cercado de pessoas em seu “ambiente mais íntimo” que querem que ele “saia do poder”.

    “Hoje Maduro não pode confiar nem em quem serve seu café”, garantiu. “Ele sabe que em seu próprio entorno querem que ele saia, sabe que seu próprio entorno está conversando conosco em todos os níveis, e ele sabe que tem que fingir que tem o controle”, reiterou.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade