Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Erdogan diz à ONU que Israel deve ser julgado por crimes em Gaza

Em telefonema com secretário-geral das Nações Unidas, presidente turco afirmou que Israel deve ser levada aos tribunais internacionais

Por Da Redação
28 nov 2023, 18h46

Em um telefonema com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, disse, nesta terça-feira, 28, que Israel deve ser responsabilizado em tribunais internacionais pelos “crimes de guerra que cometeu na Faixa de Gaza”.

“O presidente Erdogan disse que Israel continua a atropelar descaradamente o direito internacional, as leis da guerra e deve ser responsabilizado pelos crimes que cometeu”, diz uma nota divulgada pelo governo turco.

Ainda de acordo com informações da Presidência turca, as autoridades discutiram sobre esforços para a paz e o acesso de ajuda humanitária ao enclave.

+ Hamas liberta mais 12 reféns, que estão a caminho de Israel

A conversa antecedeu a reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre Gaza, prevista para esta quarta-feira. O encontro vai contar com a presença do ministro das Relações Exteriores da Turquia, Hakan Fidan.

Continua após a publicidade

Ele promete se reunir com seus pares de outros países que integram a Liga Árabe e a Organização de Cooperação Islâmica (OIC) para discutir a situação de Gaza com as demais potências.

A Turquia tem feito uma oposição voraz aos ataques de Israel na região, iniciados após as investidas do Hamas no dia 7 de outubro, e apelou desde então por um cessar-fogo total que permitisse encontrar uma solução mais ampla e duradoura entre palestinos e israelenses.

Erdogan classificou a atuação militar de Israel como genocídio e acusou o país de ser um “Estado terrorista”. Por outro lado, afirmou que o grupo militante palestino Hamas não é uma “organização terrorista”, e sim um grupo pela libertação que luta para proteger o povo e as terras palestinos.

“O Hamas não é uma organização terrorista, é um grupo de libertação, ‘mujahideen’ que trava uma batalha para proteger as suas terras e o seu povo”, disse Erdogan em outubro deste ano, usando uma palavra árabe que designa aqueles que lutam pela sua fé.

Continua após a publicidade

Na época, o presidente turco cancelou uma viagem para Israel pela guerra “desumana” em Gaza, sob a afirmação de que as relações entre os dois países não iriam melhorar.

+ Erdogan cancela viagem a Israel e diz que Hamas não é ‘grupo terrorista’

A Turquia congelou relações com Israel em 2010, depois de forças israelenses atacarem um navio turco que se dirigia a Gaza com suprimentos de ajuda, matando 10 civis. Embora os dois Estados tenham reestabelecido laços em 2016, a Turquia protestou com a expulsão de diplomatas em 2018 após repressão a manifestantes palestinos em Gaza.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.