Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Erdogan cancela viagem a Israel e diz que Hamas não é ‘grupo terrorista’

Falas do líder turco aumentam deterioração dos laços entre Ancara e Israel, que há anos mantêm uma relação difícil

Por Da Redação
Atualizado em 25 out 2023, 11h12 - Publicado em 25 out 2023, 11h03

O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, afirmou nesta quarta-feira, 25, que o grupo militante palestino Hamas não é uma “organização terrorista”, e sim um grupo pela libertação que luta para proteger o povo e as terras palestinos. A parlamentares, o mandatário também instou um cessar-fogo imediato entre forças israelenses e militantes palestinas e afirmou que países muçulmanos precisam agir juntos para garantir a paz da região.

“O Hamas não é uma organização terrorista, é um grupo de libertação, ‘mujahideen’ que trava uma batalha para proteger as suas terras e o seu povo”, disse Erdogan, usando uma palavra árabe que designa aqueles que lutam pela sua fé.

+ Sem combustível, ONU diz que operações em Gaza podem acabar nesta quarta

Também nesta quarta-feira, Erdogan cancelou uma viagem planejada a Israel pela guerra “desumana” em Gaza, dizendo que relações entre os dois Estados não iriam melhorar.

“Tínhamos um projeto de ir a Israel, mas foi cancelado. Não iremos”, disse no Parlamento. Por outro lado, espera-se que o presidente turco participe de uma manifestação pró-Palestina em Istambul no sábado, organizada pelo seu partido.

Continua após a publicidade

+ Chefe da ONU alerta para risco de expansão regional da guerra Israel-Hamas

As falas do líder turco aumentam a deterioração dos laços entre Ancara e Israel, que há anos mantêm uma relação difícil. A Turquia congelou relações com Israel em 2010, depois de forças israelenses atacarem um navio turco que se dirigia a Gaza com suprimentos de ajuda, matando 10 civis. Embora os dois Estados tenham reestabelecido laços em 2016, a Turquia protestou com a expulsão de diplomatas em 2018 após repressão a manifestantes palestinos em Gaza.

Cerca de 600 mil pessoas foram deslocadas internamente na Faixa de Gaza desde o início dos bombardeios de Israel, em 7 de outubro, em resposta ao mortífero ataque do grupo terrorista palestino Hamas ao sul do país. A maioria está abrigada em 150 centros humanitários das Nações Unidas, segundo a agência, que ressalta que os abrigos estão quatro vezes acima da sua capacidade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.