Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Covid-19: Estudo de Harvard vê necessidade de isolamento social até 2022

Autor do artigo diz que 'prever o fim da pandemia para junho de 2020 não é consistente com o que sabemos sobre a propagação de infecções'

Por Da Redação 14 abr 2020, 20h13

Um estudo de Harvard, publicado nesta terça-feira, 13, sugere que as medidas de distanciamento social devam ser mantidas de forma intermitente até o ano de 2022, prevendo reincidências do novo coronavírus nos próximos anos. Publicado na revista Science, dos Estados Unidos, o texto conclui que uma quarentena única não será suficiente para controlar a pandemia e que os picos secundários da doença podem ser maiores do que o atual.

O professor de epidemiologia de Harvard e co-autor do estudo, Marc Lipsitch, afirmou que o coronavírus ainda tem alto potencial de propagação porque a maioria da população ainda é suscetível à doença. “A menos que exista uma quantidade imensamente maior de pessoas imunes do que sabemos”, ponderou.

“Prever o fim da pandemia para junho de 2020 não é consistente com o que sabemos sobre a propagação de infecções”, disse Lipsitch.

  • Segundo o estudo, pode haver flexibilização das medidas de distanciamento periodicamente, de modo a manter a quantidade de casos de coronavírus em um nível que os serviços de saúde sejam capazes de suportar. Mesmo assim, os riscos à saúde continuação os mesmos até que uma vacina ou tratamentos altamente eficazes esteja disponível – a condição essencial para aliviar a necessidade de isolamento.

    “Na ausência [de novas descobertas], a fiscalização e o distanciamento intermitente podem precisar ser mantidos até 2022”, concluem os autores. Um dos cenários simulados no artigo prevê que, na ausência de uma vacina, uma nova onda da Covid-19 poderia acontecer em um futuro tão distante quanto 2025.

    Se a imunidade for permanente, a Covid-19 poderá desaparecer por cinco ou mais anos após o primeiro surto, sugere o artigo. Ou seja, a partir do final de 2025. Caso as pessoas tiverem imunidade por cerca de um ano, como é visto em alguns outros tipos de coronavírus circulantes, um ciclo anual de surto seria o resultado mais provável.

    Continua após a publicidade
    Publicidade