Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Coronel aposentado russo critica guerra da Ucrânia em emissora estatal

'Claramente a situação da Rússia na guerra ficará ainda pior', disse o analista militar no programa de maior audiência da emissora do governo

Por Da Redação Atualizado em 18 Maio 2022, 17h40 - Publicado em 18 Maio 2022, 17h07

O coronel aposentado e analista militar russo, Mikhail Khodarenok, disse em entrevista à televisão estatal da Rússia que a situação do país na guerra com a Ucrânia “claramente irá piorar”. Esse é um raro movimento de crítica ao confronto em uma emissora controlada pelo governo. 

Desde o início do conflito, a mídia estatal russa tem oferecido uma visão diferente de todo o restante do mundo, se referindo à guerra como “operação militar especial” do presidente Vladimir Putin no país vizinho. 

+ Rússia intensifica guerra de narrativas sobre Ucrânia na mídia estatal

Apesar do Kremlin ainda defender a ideia de que a invasão está ocorrendo conforme o planejado, Khodarenok alertou, além da possibilidade de piora, que a Ucrânia tem recebido armamento suficiente para armar cerca de um milhão de pessoas. 

“O desejo de defender sua pátria é bem forte nos soldados ucranianos. A vitória final no campo de batalha é determinada pela moral das tropas que estão derramando sangue”, disse ele.

Continua após a publicidade

Durante entrevista para o programa 60 minutes, o mais importante da emissora estatal, o coronel aposentado disse ainda que “o maior problema militar e política da Rússia é que estamos em total isolamento político e o mundo inteiro está contra nós, mesmo que não queiramos admitir”.

“A situação não pode ser considerada normal quando contra nós há uma coalizão de 42 países e quando nossos recursos são limitados”, completou, deixando todos no estúdio, inclusive a ferrenha defensora do Kremlin e apresentadora do programa, sem palavras.

+ Soldado russo se declara culpado em julgamento por crimes de guerra

Essa não é a primeira vez que Khodarenok faz críticas ao governo russo em relação à guerra com a Ucrânia. Em fevereiro, pouco antes da invasão, ele havia criticado aqueles que afirmavam que uma vitória fácil, concluindo que um “conflito armado com os ucranianos não era do interesse nacional russo”.

Críticas ao governo nacional são raras, principalmente no meio televisivo, porém têm aparecido com mais frequência nas últimas semanas. Em março, em outro programa popular de entrevistas, um cineasta russo disse que “a guerra na Ucrânia pinta um quadro assustador, tendo uma influência muito opressiva em nossa sociedade”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)