Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Coronavírus: EUA registram 30 milhões de desempregados desde março

Solicitantes de seguro-desemprego na semana passada somam 3,8 milhões, total que sinaliza redução gradual nas demissões

Por Da Redação Atualizado em 30 abr 2020, 13h06 - Publicado em 30 abr 2020, 12h42

O Departamento do Trabalho dos Estados Unidos registrou mais 3,8 milhões de novos pedidos de seguro-desemprego na última semana, elevando a 30 milhões o número de desempregados por conta da crise que a pandemia de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, causou no país.

O número, no entanto, vem diminuindo. O pico de novas solicitações chegou a 6,8 milhões de pessoas no fim de março.

Antes da Covid-19, os Estados Unidos mantinham uma invejável taxa de desemprego de 3,6% – a menor em 51 anos. O porcentual é considerado entre economistas como “pleno emprego”. Com as políticas de distanciamento social e confinamento adotadas pelos governos estaduais, diante da disseminação da epidemia pelo país, a economia americana afundou. O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê recuo de 5,9% da atividade econômica dos Estados Unidos em 2020. O mundo, alerta o FMI, enfrentará uma situação pior do que a vivenciada na Grande Depressão, na década de 1930.

A diminuição no número de pedidos é causa direta da intervenção do governo ao entrar com um plano de alívio avaliado em quase 2 trilhões de dólares em empréstimos à empresas e socorro à população menos favorecidos, além de reforço em diversas áreas da economia.

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Já o Federal Reserve (FED), o banco central dos Estados Unidos, anunciou na quinta-feira a expansão de seu programa de empréstimos destinado a ajudar pequenas e médias empresas (PMEs) deixadas de fora do pacote anunciado pelo governo.

Continua após a publicidade

O programa, ainda não lançado, foi desenvolvido para ajudar empresas que não se enquadram nos requisitos que o Departamento do Tesouro estabeleceu para o pacote do governo, que tem o objetivo de combater os efeitos da pandemia de coronavírus.

O presidente do FED, Jerome Powell, alertou que a atividade econômica nos Estados Unidos provavelmente cairá “a um nível sem precedentes” no segundo trimestre.

  • Mais de 30 milhões de americanos pediram auxílio-desemprego desde meados de março, e as empresas estão começando a fazer cortes mais permanentes, incluindo a gigante aeroespacial Boeing, que planeja dispensar 10% de sua força de trabalho.

    Levará “algum tempo para retornar a algo que quase se assemelhe ao emprego pleno”, disse Powell, assegurando que o FED está “comprometido em usar (sua) gama completa de ferramentas” para garantir uma recuperação “mais robusta possível”.

    A Organização Internacional do Trabalho (OIT) alertou que mais da metade dos 3,3 bilhões de trabalhadores em todo o mundo correm o risco de perder seus meios de subsistência durante este segundo trimestre.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade