Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Metade da força de trabalho está sob risco de perder emprego, diz OIT

Cerca de 1,6 bilhão de pessoas atuam no mercado informal estão sob maior ameaça por causa do impacto econômico da pandemia de Covid-19

Por Da Redação 29 abr 2020, 17h49

Parte das Nações Unidas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou nesta quarta-feira, 29, que cerca de metade da força de trabalho no mundo corre um “grande risco” de desemprego em decorrência da pandemia da Covid-19, na qual mais de 3 milhões de pessoas adoeceram e 220.000 morreram. Horas antes, a maior economia do mundo, os Estados Unidos, anunciou uma queda de 4,8% na produção econômica no primeiro trimestre deste ano — o pior resultado desde a crise financeira de 2008.

Cerca de 1,6 bilhões de trabalhadores na ativa, porém no mercado informal, estão sob “grande risco” de perderem seu emprego dentre os 3,3 bilhões que representam a força de trabalho no mundo segundo a OIT. A organização calcula a força de trabalho como sendo as pessoas com 15 anos de idade ou mais (consideradas “população na idade de trabalho”) que estejam empregadas ou em busca de emprego.

“A crise do emprego e todas as suas conseqüências estão se aprofundando em comparação com nossas estimativas de três semanas atrás”, disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

No início de abril, a OIT estimou que a pandemia da Covid-19 levaria a um impacto no mercado de trabalho equivalente à perda de 195 milhões de empregos em tempo integral (pelo menos 35 horas semanais).

A estimativa de 18 de março — quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia confirmado apenas 130.000 casos e 4.900 mortes em decorrência da pandemia — apontava a perda de 25 milhões de empregos.

Continua após a publicidade

Desde então, as atividades não essenciais no Reino Unido, AlemanhaÍndia, países que juntos representaram mais de 10% da produção econômica do mundo em 2018, segundo estimativa do Banco Mundial, foram suspensas em dimensão nacional.

Dentre as cinco maiores economias do mundo, segundo o Banco Mundial, apenas a China, primeiro epicentro da pandemia, estava sob quarentena em dimensão nacional no início de março.

Nos Estados Unidos, onde as quarentenas são impostas principalmente no plano estadual, o governo anunciou nesta quarta-feira contração na economia de 4,8% no primeiro trimestre deste ano. Esta é a queda mais expressiva desde os últimos três meses de 2008, quando o recuo foi de 8,4%.

Mais de 26,4 milhões de americanos, incluindo apenas os trabalhadores formais, perderam o emprego entre o final de março e 23 de abril, com base nas solicitações de seguro-desemprego.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)