Clique e assine a partir de 8,90/mês

Como retaliação a países que impuseram sanções, Putin limita importações

Decreto impõe restrições à compra de produtos alimentícios durante um ano

Por Da Redação - 6 ago 2014, 14h45

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto limitando – em alguns casos proibindo – a importação de produtos agrícolas de países que tenham imposto sanções à Rússia. O decreto cita a necessidade de “proteger os interesses nacionais” como justificativa para a decisão, que deverá vigorar durante um ano.

Departamentos do governo foram instruídos a fazer uma lista dos produtos que serão submetidos às restrições. O documento não especifica quais países serão afetados pelas medidas. Os Estados Unidos e os membros da União Europeia impuseram recentemente sanções mais duras a setores da economia russa, em resposta ao apoio de Putin a grupos separatistas ucranianos. As novas sanções foram anunciadas depois da queda do avião da Malaysia Airlines, abatido por um míssil russo quando sobrevoava o leste da Ucrânia. Quase 300 pessoas morreram.

Leia também:

UE e EUA ampliam sanções contra a Rússia

Moscou: EUA sofrerão ‘prejuízos reais’ por sancionar Rússia

Putin com leopardo e Obama com poodle: provocação russa

Sanções deixam turistas russos ‘presos’ no exterior

Segundo o Wall Street Journal, reguladores do governo russo concordaram em aumentar a importação de produtos do Brasil, que silenciou sobre a culpa de Putin na derrubada do jato de passageiros. O Kremlin já proibiu a importação de produtos agrícolas de outros Estados no passado, mas normalmente com base em questões de saúde pública. Na última semana, o governo russo vetou a compra de maçã e outras frutas da Polônia sob este argumento, mas a decisão foi vista como uma retaliação velada ao apoio polonês ao governo ucraniano. Nas últimas semanas, também foram restringidas importações da Romênia, da Letônia e da Moldávia, sempre com base em argumentos da saúde pública.

Continua após a publicidade
Publicidade