Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Com chegada do Natal, Itália prevê lockdown parcial para conter pandemia

Em entrevista, premiê Giuseppe Conte reforçou necessidade de introduzir medidas mais restritivas, que podem durar 24 de dezembro até 2 de janeiro

Por Da Redação Atualizado em 15 dez 2020, 12h05 - Publicado em 15 dez 2020, 11h55

Embora longe de um confinamento total como decretado na Alemanha, o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, reforçou a necessidade de introduzir medidas mais restritivas durante o período de festas de fim de ano para conter o avanço da Covid-19, em uma entrevista publicada nesta terça-feira, 15, pelo jornal La Stampa.

Apesar do grande número de casos e, sobretudo, de mortes, Conte assegurou que as medidas aplicadas – com o sistema de diferenciação de riscos entre regiões – “estão funcionando e permitindo recuperar o controle da curva epidemiológica”.

A Itália, o quinto país do mundo mais enlutado pela pandemia, depois de Estados Unidos, Brasil, Índia e México, se tornou o estado europeu mais afetado no sábado, com 64.520 mortes e mais de 1,8 milhão de casos. Nesta terça-feira, o número de mortos já chegou a 65.011. 

Na entrevista, Conte afirmou que “à luz das sugestões do Comitê Técnico Científico, são necessárias medidas mais restritivas. Neste momento, estamos refletindo sobre isso. Devemos evitar a todo o custo uma terceira onda, porque também seria devastadora em termos de perdas de vidas humanas”.

Segundo alguns meios de comunicação, haverá uma tentativa de estender o toque de recolher ou fechar restaurantes e estabelecimentos comerciais durante as festividades, quando pessoas tradicionalmente se aglomeram. O governo pode colocar em vigor um lockdown parcial de 24 de dezembro até ao menos 2 de janeiro, ampliando toques de recolher, proibindo movimentações não essenciais e fechando bares, restaurantes e lojas durante o período, com exceção de comércio de bens essenciais. 

Continua após a publicidade

Sobre o fato da Itália ser o país europeu com o maior número de mortes pelo novo coronavírus, Conte explicou que “este triste recorde depende do fato do índice está desacelerando mais lentamente do que em outros países que introduziram o bloqueio e devido ao limite de idade população e outros fatores”.

Em relação ao plano de vacinação, Conte antecipou que no próximo dia 29, a Pfizer disponibilizará as primeiras doses e depois chegarão as da Moderna. Segundo o premiê, “para ter um impacto efetivo na imunidade, segundo especialistas, a campanha de vacinação deve ser direcionada para entre 10 e 15 milhões de pessoas”

  • O governo da Itália decretou medidas de restrição de movimento em 5 de novembro, após a média de contaminações do país ultrapassar a marca dos 30.000 casos diários.

    Em dimensão nacional, instituiu-se um toque de recolher entre 22h e 5h, válido para todos os dias. Além disso, proibiu-se a entrada e saída de pessoas em quatro regiões: Lombardia, Piemonte, Calabria e Vale de Aosta. A circulação dentro de cada uma dessas regiões também foi limitada.

    Essas medidas de restrição de movimento permaneceram em vigor até o início de dezembro, quando a média de infecções na Itália chegava à casa das 20.000 contaminações por dia.

    Continua após a publicidade
    Publicidade