Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cidade de Nova York iniciará reabertura no dia 8 de junho

'Primeira fase' da retomada deve permitir atividades industriais e de construção civil, e lojas de rua podem funcionar em sistema 'para viagem'

Por Da Redação Atualizado em 29 Maio 2020, 17h11 - Publicado em 29 Maio 2020, 16h42

O governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, anunciou nesta sexta-feira, 29, que a cidade de Nova York deve começar uma reabertura em 8 de junho. A metrópole está sob um bloqueio total há mais de dois meses devido à pandemia de coronavírus, que lá infectou cerca de 205.854 pessoas e deixou 20.895 mortos, segundo levantamento do jornal The New York Times.

“Sabemos onde estão os focos de contágio da cidade. Queremos nos focar neles na próxima semana para estarmos prontos para abrir”, disse Cuomo em coletiva de imprensa. “Estamos no caminho certo para abrir em 8 de junho, daqui uma semana a partir de segunda-feira”.

No início desta semana, Cuomo disse que rastrear áreas com um alto número de casos da Covid-19, doença respiratória causada pelo vírus, seria a chave para a reabertura. O Bronx, Rockland e Queens, com alta concentração de pessoas pobres e desassistidas pelo sistema de saúde, são alguns dos bairros com maiores taxas de casos positivos, em torno de 25%. Em algumas comunidades do estado, a proporção chega a 40% – o dobro da cidade de Nova York.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

As regiões nova-iorquinas de Long Island e Mid-Hudson começaram sua primeira fase de reabertura nesta semana. A cidade de Nova York é a única região do estado que permanece sob a ordem de ficar em casa, e onde se planeja uma reabertura em fases. A primeira etapa, prevista para o início de junho, deve permitir o retorno de cerca de 400.000 funcionários ao trabalho.

A partir de 8 de junho, atividades da indústria e da  construção civil consideradas não essenciais devem retomar as atividades, e as lojas de rua poderão funcionar com sistema de entrega “para viagem”, em que clientes farão compras do lado de fora, na calçada.

Continua após a publicidade

Contudo, Cuomo pediu cautela, dizendo que uma retomada das atividades não significa que “tudo está acabado”. “Reabrir não significa que vamos voltar ao que era antes. A vida não é voltar, seguimos em frente. Temos de ser inteligentes”, afirmou o governador.

O estado de Nova York é a região mais atingida pelo coronavírus nos Estados Unidos, com mais de 368.000 casos e mais de 29.000 mortes em todo o estado, de acordo com dados oficiais.

O plano de reabertura em regiões do estado é dividido em fases, definidas com base em sete critérios de saúde. Cuomo alertou as regiões para “observar seus números”, dizendo para os governantes locais “atacarem” os focos de contágio.

As regiões de Finger Lakes, Mohawk Valley, Southern Tier, North Country e Central New York foram autorizadas a entrar na “fase dois”, que permite serviços como barbearias e cabeleireiros a 50% da capacidade e com uso obrigatório de máscaras. Cuomo também recomendou que profissionais em contato com clientes fossem testados a cada duas semanas.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês