Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

China confina cidade de 3,6 milhões de habitantes após surto de Covid

Além da política de tolerância zero, medida foi tomada devido à preocupação com Jogos Olímpicos de Inverno e Ano Novo Lunar

Por Matheus Deccache 7 fev 2022, 12h31

Como parte de sua estratégia de Covid zero, o governo da China impôs nesta segunda-feira, 7, um lockdown total em mais uma cidade do país. O bloqueio de Baise, cidade na fronteira do Vietnã com cerca de 3,6 milhões de habitantes, acontece após um morador testar positivo para o coronavírus no último fim de semana.

Por conta do caso, autoridades locais decretaram que testes fossem feitos em mais de 200.000 residentes da região de Debao, onde mora o homem. Até esta segunda-feira, 99 casos da doença haviam sido confirmados e de acordo com o vice-diretor da comissão de saúde regional, dois dos casos identificados são da Ômicron, variante responsável pelo aumento de infecções em todo o mundo.

A medida é parte da estratégia do governo chinês de eliminar totalmente a circulação do vírus ao invés de conviver com ele em níveis baixos de propagação. Entre as restrições impostar a Baise estão a proibição de viagens desnecessárias e a ida às escolas, além do fechamento de negócios não essenciais. Apenas profissionais da área da saúde poderão circular pelas ruas da cidade mediante a apresentação de passes especiais. 

O fechamento ocorre em um momento de preocupação para o governo chinês devido ao Ano Novo Lunar e aos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pequim, iniciados na última sexta-feira e com duração até 20 de fevereiro. Até o momento, dezenas de atletas e funcionários envolvidos com os Jogos foram diagnosticados com o coronavírus, porém as competições não foram interrompidas. 

De acordo com o comitê organizador, 24 funcionários testaram positivo e outros 13 casos foram identificados na chamada “bolha olímpica”, onde estão isolados todos os envolvidos no evento. Desses casos, cinco são de atletas ou membros das delegações participantes. 

Continua após a publicidade

No final de janeiro, a população de Pequim foi obrigada a lidar com confinamentos e testes em massa. Ao menos seis bairros sofreram bloqueios e alguns voos e trens para a capital foram suspensos para impedir a vinda de pessoas de áreas com surtos. 

Já em relação ao Ano Novo chinês, há a preocupação pelo grande número de viagens domésticas. O maior festival do país, iniciado na última terça-feira, já fez com que mais de 260 milhões de pessoas viajassem domesticamente e, de acordo com o governo, esse número deve chegar a 1,2 bilhão, um aumento de 36% em relação ao ano anterior. 

O novo confinamento traz temores também ao setor econômico. Em entrevista à Reuters, um guia turístico da região de Guangxi, onde fica Baise, disse que foi aconselhado por funcionários de sua empresa a não aceitar novos grupos de viagem durante a última crise.

Continua após a publicidade

“Minha renda é basicamente zero”, disse ele, que já foi afetado por lockdowns anteriores. Também à Reuters, o recepcionista de um hotel disse que a taxa de ocupação esperada para esse ano dificilmente será alcançada. 

A China detectou 45 casos de transmissão local no último domingo, acima dos 13 registrados no dia anterior. Já o número de mortes permanece inalterado – 4.636, desde o início da pandemia. 

No início de janeiro, o governo chinês implementou grandes fechamentos em três cidades diferentes no mais amplo lockdown desde o surto inicial em Wuhan, em 2020. Os moradores de Anyang, Xian e Yuzhou foram proibidos de sair às ruas e todos os serviços não essenciais foram fechados. Ao todo, mais de 20 milhões de chineses foram afetados pela medida. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.