Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chile: o que aconteceu com a ‘estrela’ da América Latina?

Economia que serviu de inspiração aos vizinhos sul-americanos desacelerou e próximo presidente terá de lidar com a controvertida herança de Bachelet

O Chile foi a estrela da América Latina nas últimas duas décadas. O país assinou tratados de livre-comércio, entre os quais a Aliança do Pacífico, passou a negociar frutas no mundo todo em condições vantajosas e se tornou o maior exportador de vinhos para o Brasil. Duas de suas universidades estão entre as quatro melhores da América Latina. Com uma economia menor que a do Estado de São Paulo, o país ostenta um PIB per capita que supera o do Distrito Federal, a unidade federativa mais abastada do Brasil. Os dados macroeconômicos chilenos são bons. A taxa de desemprego está em 7% (a brasileira é de mais de 12%). A inflação é baixa, de apenas 3% ao ano, e o PIB cresceu em média 3,5% anualmente desde 2010. A previsão de crescimento para este ano é de 1,3% (a do Brasil é de 0,7%).

A situação, porém, já foi bem melhor. Na década de 90, a economia cresceu em média 6% ao ano, embora o país continue muito dependente do cobre, minério do qual é o maior exportador mundial. Quando o preço internacional do cobre cai, o governo tem menos dinheiro para executar o Orçamento. Quando o valor sobe, sobra verba para os gastos públicos, incluindo os programas sociais. “O Chile tem dificuldade de atrair indústrias por ser menor que vizinhos como o Brasil e a Argentina. Para grandes empresas pode não fazer sentido instalar suas fábricas em um país com um mercado pequeno e a mão de obra mais cara da região”, diz a economista Patrícia Krause, da seguradora de crédito Coface, em São Paulo.

Menos contratações – Christian Valdivieso, de 42 anos, vive em Santiago com a esposa, Sujey, e a filha de 6 anos. Ele trabalha em um site que ajuda as pessoas a sublocar suas casas e apartamentos. O negócio prosperou devido à desaceleração econômica nos últimos anos. “As reformas tributária e trabalhista de Bachelet levaram muitas empresas a congelar as contratações, e todos tiveram de arrumar uma renda extra”, diz Valdivieso, que viveu no Brasil entre 1981 e 1992.

Menos contratações – Christian Valdivieso, de 42 anos, vive em Santiago com a esposa, Sujey, e a filha de 6 anos. Ele trabalha em um site que ajuda as pessoas a sublocar suas casas e apartamentos. O negócio prosperou devido à desaceleração econômica nos últimos anos. “As reformas tributária e trabalhista de Bachelet levaram muitas empresas a congelar as contratações, e todos tiveram de arrumar uma renda extra”, diz Valdivieso, que viveu no Brasil entre 1981 e 1992. (Pablo Sanhueza Gutierrez/Archivo Latino/)

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. O chile ficou caro, produtividade não avançou o suficiente…

    Curtir

  2. Claudio Fiorini

    Mais uma prova de que tudo que socialista põe a mão, transforma em m – – – –

    Curtir

  3. Claudio Fiorini, desde a queda de Pinochet em 1990, o Chile só foi governado pela direita uma vez, de 2010 a 2014.

    Curtir