Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Chega de burocracia: Japão declara guerra aos disquetes

Apesar de ser reconhecido na área de inovação tecnológica, o país ainda se apega à dispositivos antiquados em trâmites burocráticos

Por Da Redação
Atualizado em 1 set 2022, 14h10 - Publicado em 1 set 2022, 14h10

O ministro de Assuntos Digitais do Japão, Taro Kono, criticou o uso de tecnologias ultrapassadas em processos administrativos do país.

Durante uma entrevista coletiva na terça-feira 30, Kono anunciou uma reforma no sistema burocrático do país que visa substituir o uso de dispositivos antiquados como disquetes e CDs por métodos de armazenamento de informações on-line. Além de substituir aparelhos de fax por e-mails.

“Onde se compra um disquete hoje em dia?”, questionou o ministro, que também prometeu acabar com o uso de aparelhos de fax nas repartições públicas do país.

+ O plano da Apple para diminuir a dependência chinesa no iPhone

Kono, que já ocupou a posição de chefe de Relações Exteriores e de Defesa do Japão, foi empossado no cargo de ministro digital em meados de agosto pelo primeiro-ministro Fumio Kishida.

Continua após a publicidade

“A transformação digital é uma área chave de investimento sob a ‘nova forma de capitalismo’ e para promovê-la fortemente, decidi nomear o Sr. Kono para o cargo”, disse o premiê durante a nomeação.

Apesar de ser reconhecido globalmente como celeiro de inovação tecnológica, o Japão ainda exige o uso de disquetes e CDs em cerca de 1.900 procedimentos governamentais.

Entre os fatores apresentados para a perpetuação de mídias arcaicas no país, constam a baixa alfabetização digital e uma cultura burocrática com atitudes conservadoras perene entre os japoneses.

+ Com chegada ao RJ, Vitória, Palmas e Floripa, 5G está ativo em 12 capitais

Continua após a publicidade

Em 2018, o ministro da segurança cibernética do país chocou o mundo ao admitir que nunca havia usado um computador, alegando que sempre delegava tarefas digitais à sua equipe de Tecnologia da Informação.

Os disquetes foram criados no final da década de 1960, mas se tornaram obsoletos três décadas depois, graças a soluções de armazenamento mais eficientes. Mais de 20.000 dispositivos do tipo seriam necessários para replicar um cartão de memória médio, que armazena 32 gigabytes de informações.

Mas o legado do dispositivo em formato quadrado ainda pode ser testemunhado até hoje, pois sua aparência visual inspirou o tradicional ícone “salvar”.

Autoridades dos Estados Unidos também foram pegas usando disquetes para gerenciar informações sobre seu arsenal nuclear durante os anos 2010 – embora essa prática tenha sido descartada no final da década.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.